logo

Telefone: (11) 3024-9500

Descubra a misteriosa Cidade Perdida, na Colômbia | Qual Viagem Logo

sierra nevada

Descubra a misteriosa Cidade Perdida, na Colômbia

20 de julho de 2017

No meio da floresta da Serra Nevada de Santa Marta, norte da Colômbia, está um lugar cuja atmosfera de mistério está até no nome. A Cidade Perdida (“Ciudad Perdida”) guarda as ruínas de um antigo centro da civilização indígena Tayrona, que habitava a região antes da chegada dos espanhóis ao continente.

Foto por iStock / LUCKOHNEN

Foto por iStock / LUCKOHNEN

Para chegar ao sítio arqueológico é preciso enfrentar uma trilha de 45 km em meio à selva, atravessar rios, passar por trechos de lama, subir até uma altitude de 1.300 metros e encarar 1.200 degraus de pedra no final do caminho. O percurso total dura cerca de cinco dias, ida e volta (saindo de Santa Marta), e há acampamentos ao longo do trajeto. Uma aventura inesquecível que vai fazer você se sentir em um dos filmes do Indiana Jones.

Foto por iStock / PetraKosonen

Foto por iStock / PetraKosonen

Os aventureiros são recompensados com uma visão incrível da antiga cidade de Teyuna, construída em torno do ano 800 – mais de seis séculos antes de Machu Picchu. São 2 km² de área e 170 terraços de pedra, além de escadas e canais em bom estado de conservação. Arqueólogos acreditam que apenas 10% da Cidade Perdida foram descobertos. Isso porque os Tayronas foram dizimados no século XVI, e a cidade foi encoberta pela floresta. Só foi “reencontrada” na década de 1970 por ladrões de túmulos em busca de ouro.

Foto por iStock / Scott Biales

Foto por iStock / Scott Biales

Por algumas décadas o local sofreu com a luta de guerrilhas na região, e só em anos mais recentes ficou seguro para o turismo. Hoje, soldados do exército protegem a área. Por tudo isso, a Cidade Perdida de Teyuna ainda não é muito visitada – ou seja, não será preciso enfrentar hordas de turistas para explorar o local. A dica é fazer a trilha durante a época mais seca, entre dezembro e março, quando há menos lama e menor volume de águas nos rios.

Texto por: Patrícia Chemin

Foto destaque por: iStock / LUCKOHNEN

Comentários