logo

Telefone: (11) 3024-9500

Conheça os pórticos de Bolonha recém-considerados Patrimônio da Humanidade pela Unesco | Qual Viagem Logo

Foto por Istock/ ledmark31

Conheça os pórticos de Bolonha recém-considerados Patrimônio da Humanidade pela Unesco

5 de agosto de 2021

Em 28 de julho de 2021, os Pórticos de Bolonha passaram a fazer parte da lista dos Patrimônios Mundiais da UNESCO. O registro constitui um novo reconhecimento da UNESCO para a cidade de Bolonha, que em 2006 foi declarada Cidade Criativa na categoria Música.

A decisão, anunciada em Fuzhou na China, representa um marco extraordinário para a cidade de Bolonha, e é o resultado de uma longa candidatura que envolveu o Município, as instituições e associações de Bolonha, a Região da Emília-Romanha e o Ministério da Cultura. É também uma grande notícia para o país, já que o número total de sítios italianos designados como Patrimônio Mundial pela UNESCO chega a 58, com mais 14 registrados no patrimônio imaterial, somam um total de 72.

Bolonha conta com um caminho de arcadas de um total de 62 km. No entanto, não é a totalidade das arcadas que são candidatas e depois escolhidas, mas sim uma série de 12 componentes que representam, no seu conjunto, um corte transversal da variedade arquitetônica, histórica e micro-geográfica – com representação de partes de o centro histórico e outros mais periféricos. Em conjunto, eles constituem “um elemento identificador da cidade de Bolonha, tanto pela comunidade como pelos visitantes, e são um ponto de referência para um estilo de vida urbano sustentável, em que os espaços religiosos e civis e as casas de todas as classes sociais estão perfeitamente integrados”, essa foi a razão dada para a candidatura, lançada em janeiro de 2020.

As primeiras arcadas datam do século XI, época em que começaram a ser construídas para aumentar a quantidade de edifícios visando atender à necessidade de expansão das atividades comerciais e artesanais. Nos séculos seguintes o número de arcadas aumentou exponencialmente, principalmente graças ao forte aumento da população devido à chegada de alunos e professores na Universidade de Bolonha, e também ao êxodo do campo.

Nos últimos dez séculos, as arcadas têm sido ponto de encontro e sociabilidade para bolonheses e turistas, e é precisamente esta vertente social e comunitária que distingue estes espaços cobertos, que nasceram e continuam a ser propriedade privada de uso público. Por estas razões, a comunidade, e também os visitantes de Bolonha, sempre reconheceram e ainda reconhecem o elemento pórtico como um identificador da cidade.

Por todas estas razões, a designação das arcadas constitui um elemento inovador: a escolha não diz respeito a um local específico, mas sim a um conjunto arquitetônico que abrange toda a cidade, do centro à área metropolitana num total de 62 km. É um patrimônio muito difundido não só do ponto de vista artístico, mas também sociocultural: é uma sala de estar ao ar livre, símbolo da hospitalidade bolonhesa.

Confira as vias mais pitorescas:

Santa Caterina e Saragozza

Via Santa Caterina, segundo um documento da Idade Média, a rua era habitada por “lobos famintos, prostitutas, coveiros, lojistas e artesãos”, surpreende ainda hoje com as suas casas baixas e coloridas, um exemplo de uma Bolonha do passado. O pórtico, um pouco escuro e de madeira, encontra-se apenas em um dos dois lados da estrada e ainda abriga duas das melhores Osterias com culinária de Bolonha.

Santo Stefano e Mercanzia

Foto por Istock/ sedmak

Foto por Istock/ sedmak

Uma das praças mais bonitas da cidade, com seu calçamento de paralelepípedos descendo até a espetacular Basílica de Santo Stefano ou delle Sette Chiese: nesta praça as arcadas parecem um verdadeiro abraço, que começa no Palazzo della Mercanzia e continua ao longo de todo o perímetro de seus edifícios irregulares. Um abraço que também simboliza a vida que as arcadas da Piazza Santo Stefano acolhem dentro delas: cafés, bares de coquetéis, restaurantes históricos, bolonheses e turistas passeando, estudantes conversando ou tocando violão. A varanda mais marcante? Sem dúvida o do Palazzo Bolognini, com suas “cabeças” de terracota que parecem espreitar os transeuntes. E uma pergunta recorrente que ninguém sabe responder: mas quem retratam essas cabeças?

Baraccano

Localizado no complexo Monumental do Baraccano, encomendado por Giovanni II Bentivoglio, o pórtico do Baraccano entrou na lista da UNESCO mais pelo seu valor simbólico do que pela sua verdadeira beleza. Uma arcada que dá acesso a um complexo criado como abrigo para peregrinos e caminhantes, ao longo do tempo convertido em centro de acolhimento e educação para meninas de classes sociais desfavorecidas, a fim de lhes ensinar uma profissão e garantir-lhes um futuro mais estável. Hoje, os bolonheses se encontram em “al Baraccano” para um passeio nos Jardins Margherita, ou como um ponto de acesso ao centro histórico para um passeio dedicado às compras nas muitas lojas ao longo da via Santo Stefano.

Galliera e Indipendenza

Bologna, Italy - August 18, 2014: People and bike on the street Indipendenza in Bologna, Italy

Foto por IStock/NickNick_ko

Chegando a Bolonha de trem, o visitante encontrará todas as indicações para chegar àquela que hoje é considerada a principal rua comercial de Bolonha, a via Indipendenza, que liga a estação à Piazza Maggiore por um trajeto de pouco mais de 1 km. A Via Indipendenza, construída a partir da demolição de casas e palácios no século XIX, ocupou o lugar do que já foi a principal artéria do centro de Bolonha, a via Galliera: até o século XIX a “nobre” estrada de Bolonha, caminho obrigatório para quem vinha da planície e também objeto de uma impressionante obra levada a cabo pelas famílias mais ricas da cidade entre os séculos XV e XVI, com a construção de imponentes palácios e arcadas que bem poderiam manifestar o bem-estar que floresceu na cidade naqueles séculos de riqueza cultural, econômica e artística.

Pavaglione, Banchi e Piazza Maggiore

O Pavaglione (de “Papilio” nome do bicho-da-seda vendido logo abaixo do pórtico da Piazza Maggiore) é o principal pórtico de Bolonha. Localizado na parte leste da praça sob o Palazzo dei Banchi, construído no século XV com a dupla função de dividir a elegante praça renascentista do intrincado, caótico e perfumado labirinto de ruas estreitas do “Quadrilatero” (o antigo mercado medieval ), mas ao mesmo tempo organizar um local adequado para os banqueiros da cidade desenvolverem os seus negócios e instalarem casas de câmbio numa cidade que agora é decididamente cosmopolita, graças à presença de muitos estudantes de diferentes países. O pórtico, um majestoso exemplo de arco bolonhês, se estende da via Rizzoli à via Farini e inclui várias seções pertencentes a diferentes edifícios: do Palazzo Ronzani (que logo abrigou o novo cinema Modernissimo da Cineteca di Bologna) ao medieval Ospedale della Morte , que inclui o complexo histórico Archiginnasio com seu Teatro Anatômico e o Stabat Mater Hall.

San Luca

Foto por IStock/ Lemanieh

Foto por IStock/ Lemanieh

Quando falamos de arcadas, não podemos deixar de mencionar o pórtico de San Luca, o mais longo do mundo: com uma extensão total de cerca de 4km, e os seus quase 700 arcos, liga o centro da cidade ao Santuário da Madonna di San Luca, localizado no topo do Colle della Guardia. Uma basílica que parece vigiar Bolonha, ligada à cidade por este “cordão umbilical” que a mantém fechada e que permite a bolonheses e visitantes percorrer o itinerário para cima e para baixo, em qualquer condição meteorológica. Concebido como uma rota de peregrinação devocional, o Pórtico di San Luca é hoje uma grande “academia ao ar livre” frequentado a qualquer hora do dia e em qualquer dia da semana por crianças, grupos de caminhantes, jovens e velhos, que lutam para escalar do “Cassero “da Porta Saragozza até ao topo da colina, passando pela curva muito cansativa, alternando subidas íngremes com escadas e segmentos mais planos. O trajeto perfeito para compensar o almoço de domingo à base de tortellini!

Università e Accademia

Via Zamboni, símbolo da universidade mais antiga do mundo ocidental: muitos edifícios de diferentes estilos e arcadas heterogêneas se alternam ao longo desta rua antigamente chamada de “San Donato”, que até os primeiros séculos após o ano mil estava completamente imersa no campo e que só graças à intervenção da família Bentivoglio – que aqui decidiu estabelecer o seu próprio centro de poder e construir o seu próprio palácio – floresceu como espaço arquitetônico. O Palazzo dei Bentivoglio foi arrasado em uma revolta popular no início de 1500, mas no local onde estava localizado hoje ergue-se o majestoso Teatro Comunale, com seu pórtico, o centro nervoso e pulsante de uma área universitária que nunca dorme.

Certosa

Com sua incrível vista de arcos amarelo-laranja e sua estrutura arquitetônica perfeitamente linear, representa uma das arcadas mais fotogênicas de Bolonha e o sonho de encontrá-la livre de caminhantes e corredores é comum a muitos fotógrafos. O Pórtico da Certosa está “enganchado” ao de San Luca, na verdade ladeando o Estádio Dall’Ara e permitindo um caminho protegido para o espetacular Cemitério Monumental da Certosa.

Cavour, Farini e Minghetti

Foto por Istock/ Thurtell

Foto por Istock/ Thurtell

Talvez o pórtico mais elegante e finamente decorado do centro histórico, o que não surpreende em uma rua, a Via Farini, que hoje é caracterizada por butiques de luxo. O pórtico em questão é uma obra do artista Gaetano Lodi, e cada parte do pórtico representa um episódio histórico, da Antiguidade aos acontecimentos mais recentes, tudo elaborado em cores brilhantes. A praça também é famosa por outro motivo: aqui fica a casa onde nasceu o querido cantor e compositor bolonhês Lucio Dalla.

 “Treno della Barca”

O edifício com pórtico da área suburbana de Barca, ou “O Trem” como os cidadãos o chamam afetuosamente, é um edifício de dois andares, com pórtico exatamente igual o de um edifício histórico no centro e também um símbolo de um elemento arquitetônico que caracteriza todo o território da cidade, do centro histórico à periferia. Foi projetado no início dos anos 1960 pelo bolonhês Giuseppe Vaccaro e inaugurado em 1962 como um prédio para trabalhadores, muitos dos quais emigraram do sul da Itália. Hoje o bairro continua popular, com bolonheses que se misturam com estrangeiros que chegaram ao nosso país nos últimos anos. Mais uma vez, o pórtico torna-se um elemento de acolhimento, de convívio e de encontro dos habitantes.

Mambo

O prédio, um antigo forno de pão em Bolonha, foi construído em 1917, encomendado pelo primeiro prefeito socialista da cidade, Francesco Zanardi. Hoje o pórtico representa a entrada do Museu de Arte Moderna de Bolonha, o MAMbo, e no verão também emoldura as mesas do café do museu, denominado Ex-Forno.

Strada Maggiore

Foto por Istock/ Angelo D'Amico

Foto por Istock/ Angelo D’Amico

Nosso trajeto termina na Via Emilia, que corta Bolonha em duas, passando logo abaixo das Duas Torres e levando o nome de Strada Maggiore no trecho que vai do coração da cidade em direção ao mar. A rua, uma das mais antigas asfaltadas, representa uma apoteose de arcadas de rara beleza dos dois lados da rua. Mas o mais significativo é sem dúvida o majestoso pórtico de madeira do Palazzo Isolani, o primeiro exemplar de pórtico medieval da cidade e sob o qual dezenas de bolonheses e turistas estreitam os olhos para identificar as famosas “três flechas”.

Texto por: Agência com edição Eliria Buso

Foto destaque por: Istock / ledmark31

Comentários