logo

Telefone: (11) 3024-9500

Como Mônaco se tornou referência no turismo de luxo | Qual Viagem Logo

the rock the city of principaute of monaco and monte carlo France

Como Mônaco se tornou referência no turismo de luxo

28 de maio de 2020

Nos dias atuais, o Principado de Mônaco é referência em turismo e serviços de luxo. Mas nem sempre foi assim. Diversos acontecimentos históricos contribuíram para mudar os rumos do país e o transformar em uma potência em muitos setores. Confira abaixo alguns dos principais momentos da história monegasca e entenda quais decisões fizeram o país crescer.

A partir de 1162, a soberania do município de Gênova, que fazia parte do Império Romano-Germânico, se espalhou até Mônaco. Em 1215, os genoveses construíram uma fortaleza no local onde o atual Palácio do Príncipe está localizado, na região do rochedo.

No mesmo século, aconteceram conflitos entre os guelfos, partidários do Papa, e os gibelinos, partidários do Império Romano-Germânico. Em 1270, os gibelinos se tornaram governantes dos genoveses e os guelfos foram exilados. Os Grimaldi, que foram várias vezes cônsules dos genoveses, eram guelfos. Este acontecimento resultou na chegada de François Grimaldi a Mônaco, em janeiro de 1297. Disfarçado de monge, ele enganou e matou os guardas da fortaleza e a ocupou, dando início à Casa de Grimaldi, que governa Mônaco até os dias de hoje. Este episódio está marcado no brasão do príncipe, onde estão ilustrados dois monges armados.

Os séculos se seguiram com diversos conflitos e a história do país se confundiu com a de seus vizinhos europeus. No começo do século XVII, para consolidar sua autoridade, o então lorde de Mônaco se intitulou Príncipe, transformando-se de Honoré Grimaldi a Honoré II e estabelecendo uma monarquia absoluta no país. Em 1641, o Tratado de Péronne, assinado pelo rei francês Louis XIII, reconheceu a independência do principado e posicionou Mônaco sob a proteção da França, com uma tropa francesa sob as ordens do príncipe.

Na segunda metade do século XIX, Mônaco era governado pelo príncipe Charles III, que o transformou em um país moderno e reconhecido internacionalmente, colocando em prática uma série de medidas, como a reforma dos sistemas jurídicos e administrativos, desenvolvimento de relações diplomáticas, exposições internacionais, criação de uma nova nobreza, entre outras.

Em 1861, o príncipe assinou um tratado com a França para resolver de uma vez por todas uma situação pendente com os municípios de Menton e Roquebrune. O principado precisou vender a maior parte de seu território para a França e teve sua autonomia reconhecida. Charles III pensou em compensar o déficit econômico da perda do território desenvolvendo o turismo de jogos de azar, concedendo o monopólio do negócio para a Société des Bains de Mer (SBM) e o Cercle des Etrangers, presididos por François Blanc. Desta forma, a SBM deveria se encarregar de serviços públicos, como abastecimento de água e gás, construção de estradas, transporte terrestre e marítimo etc. Tal desenvolvimento da sociedade monegasca atraiu membros da alta sociedade europeia.

Foto por iStock / Arsty

Foto por iStock / Arsty

O Cassino de Monte-Carlo abriu suas portas em 1863. Visitantes de todas as partes da Europa desembarcavam na estação de trem de Mônaco, jogavam e retornavam para seus países de origem ao final do dia. Por tal motivo, diferente de outros cassinos no mundo, o Cassino de Monte-Carlo possui relógios, para que os apostadores não perdessem o horário do trem. A ferrovia era de grande importância já que passava por lugares estratégicos para negócios na época.

Nos anos seguintes, foram inaugurados outros importantes edifícios de Mônaco, que completavam a Praça do Cassino: o famoso Hôtel de Paris, construído por François Blanc e sua esposa Marie e desenhado por talentosos designers da França e do mundo, e o Café Divan, antecessor do atual Café de Paris, cujo prédio abrigava um café, um restaurante, uma joalheria e uma tabacaria. Em 1866, o príncipe Charles III nomeou a nova área ao redor do cassino e do hotel com seu próprio nome: Monte-Carlo.

Monte-Carlo se tornou um grande sucesso e recebeu 170 mil turistas em 1869, cuja clientela pertencia à elite europeia. O inverno, por exemplo, era uma estação muito procurada, já que Mônaco possui um clima ameno nesta época do ano, diferente de outros países no continente.

Na década seguinte, Marie Blanc deu sequência ao trabalho do marido, que havia falecido, e construiu a adega do Hôtel de Paris, dedicada a vinhos finos. Também foram construídas a Opera House e extensões do próprio cassino. Marie começou a produzir shows de alta qualidade e convidou artistas famosos para se apresentarem em Mônaco. No início, os concertos eram dedicados às mulheres, que eram entretidas com música ao vivo enquanto os maridos faziam suas apostas no Cassino de Monte-Carlo. Em 1881, na época de sua morte, o Hôtel de Paris e o Cassino de Monte-Carlo eram reconhecidos como um dos resorts de luxo mais atrativos e vibrantes do mundo. Até hoje a agenda cultural é um ponto forte do principado, com apresentações e eventos diversos durante o ano todo.

Mônaco foi se desenvolvendo cada vez mais ao longo das décadas, construindo novos estabelecimentos e extensões, como hotéis, restaurantes, clube de golfe, companhia de balé, clube de tênis, eventos famosos, grandes bailes, spas etc. Desta forma, o destino se tornou um dos mais cobiçados do mundo, referência em turismo de luxo e serviços de excelência em gastronomia, bem-estar e entretenimento. Atualmente, o país também se preocupa em desenvolver e investir cada vez mais em projetos e serviços sustentáveis, mostrando que o luxo precisa estar associado a atitudes responsáveis.

Mais informações em: visitmonaco.com

Texto por: Agência com edição de Patrícia Chemin

Foto destaque por: iStock / OSTILL

Comentários