logo

Telefone: (11) 3024-9500

Serra da Capivara: tesouro natural e arqueológico no Piauí | Qual Viagem Logo

istock-1070986672

Serra da Capivara: tesouro natural e arqueológico no Piauí

8 de março de 2019

Nada de ruínas incas no Peru ou de vestígios maias no México. A maior concentração de sítios arqueológicos das Américas fica no Brasil – mais especificamente, no interior do Piauí. É o Parque Nacional da Serra da Capivara, onde há inúmeras pinturas rupestres e cenários incríveis com paredões rochosos, além de uma coleção de mais de 1.000 sítios arqueológicos cadastrados, sendo mais de 200 abertos à visitação.

Foto por iStock / EVELYN SAMPAIO

Foto por iStock / EVELYN SAMPAIO

São os vestígios da mais antiga presença do homem na América do Sul. Algumas pinturas datam de 25 mil anos atrás e indícios encontrados na região sugerem que as primeiras populações se estabeleceram ali há cerca de 50 mil anos. As descobertas arqueológicas na Serra da Capivara revolucionaram teorias sobre a chegada do ser humano ao continente.

Foto por iStock / EVELYN SAMPAIO

Foto por iStock / EVELYN SAMPAIO

Com uma área de aproximadamente 130 mil hectares no sudeste do Piauí, o parque está na lista de Patrimônios Culturais da Humanidade da UNESCO. Além das pinturas rupestres, a Serra da Capivara abriga paisagens de caatinga, típica do semiárido nordestino. Aliás, quase 40% da caatinga protegida no Brasil está neste parque nacional.

Foto por iStock / phelder2006

Foto por iStock / phelder2006

A fauna local também é variada, com tatus, tamanduás, jacus, lagartos e outros animais incríveis. Tudo isso em meio a cenários surpreendentes de enormes rochedos de arenito dos mais variados formatos (como um dos símbolos do parque: a Pedra Furada), cânions e boqueirões, que proporcionam pontos de observação privilegiados.

Foto por iStock / EVELYN SAMPAIO

Foto por iStock / EVELYN SAMPAIO

Visitas

A sede do parque nacional fica na cidade de São Raimundo Nonato, porta de entrada da Serra da Capivara e base para explorar o parque. A cidade está a 530 km de Teresina e a 300 km de Petrolina (PE). Para os passeios, é obrigatório estar acompanhado por um condutor credenciado (serviço pago à parte). Porém, a entrada é gratuita. O parque pode ser visitado durante o ano todo e fica aberto todos os dias da semana, das 6h às 18h.

Foto por iStock / phelder2006

Foto por iStock / phelder2006

As visitas envolvem circuitos e trilhas de diferentes graus de dificuldade. Para conhecer tudo, é necessário cerca de seis dias. Os percursos incluem pontos como a Pedra Furada, o Sítio do Meio e o Desfiladeiro da Capivara, além de mirantes. Todos os circuitos incluem sítios arqueológicos bem estruturados com escadas e passarelas. Vale destacar que atualmente há 17 sítios acessíveis a cadeirantes.

Foto por iStock / phelder2006

Foto por iStock / phelder2006

Como a quantidade de circuitos disponíveis é grande, é só conversar com o guia de turismo local para estabelecer qual o melhor roteiro de acordo com o seu interesse. Lembre-se de levar água e use roupas leves e muito protetor solar. O parque possui um centro de visitantes, com banheiros, lanchonete e lojinha.

Foto por iStock / EVELYN SAMPAIO

Foto por iStock / EVELYN SAMPAIO

Complete o roteiro com uma visita a dois museus: o Museu do Homem Americano (que mostra patrimônio cultural deixado pelos povos que habitaram a região) e o Museu da Natureza (inaugurado no final do ano passado).

Foto por iStock / EVELYN SAMPAIO

Foto por iStock / EVELYN SAMPAIO

Mais informações em: fumdham.org.br

Texto por: Patrícia Chemin

Foto destaque por: iStock / EVELYN SAMPAIO

Comentários