logo

Telefone: (11) 3024-9500

Chapada das Mesas: Um mundo de pedras e águas | Qual Viagem Logo

Foto por Adilson Zavarize

Chapada das Mesas: Um mundo de pedras e águas

19 de dezembro de 2017

De tempos em tempos aparecem no Brasil novas atrações turísticas naturais. A mais recente delas é a espetacular Chapada das Mesas, um paraíso natural que fica no sul do Maranhão, bem na divisa com o Tocantins. O “boom” turístico local teve início na região há menos de 15 anos, quando a cidade de Carolina despertou a atenção dos visitantes. Em Riachão, o movimento turístico começou há 8 anos, e a cidade ainda é um laboratório de atrativos a serem descobertos.carolina-ma-foto-adilson-zavarize-374

Carolina: o Paraíso das águas

Considerada a porta de entrada da chapada, Caroli­na fica pouco mais de 800 quilômetros de São Luís e a 220 de Imperatriz. Principal destino de ecoturismo do estado do Maranhão, a área de preservação é só uma parte de um território que guarda uma quantida­de incrível de montanhas, chapadões, rios, cachoeiras, nascentes, corredeiras e grutas. Como o Parque ainda é recente, a maioria de suas atrações fica em áreas par­ticulares. A sinalização ainda é precária e são poucas atrações que oferecem boa infraestrutura aos visitan­tes. Entre os lugares mais visitados estão as cachoeiras de Carolina e os poços azuis de Riachão, cidade que completa o maravilhoso roteiro.

O Mirante da Chapada das Mesas também merece sua visita. É um parque que explora o turismo contemplati­vo e abriga uma enorme serra com quase 14 mil metros lineares de extensão, e altitudes que variam de 309 a 420 metros de altura. As novas trilhas levam ao alto da serra de onde pode ser vista a exuberante vegetação do Cerrado, além do contato direto com pés de bacuri, araçá e mais de três dezenas de plantas medicinais.carolina-ma-foto-adilson-zavarize-382

Dentro do mesmo local, o Caminho das Pedras cons­truído pelos primeiros habitantes da região, uma mis­tura de arquitetura e interrogações, afinal, se trata de um filamento de pedras que possivelmente foram utilizadas para rituais indígenas, e que vem sendo objeto de estudo. Mas a região guarda ainda em suas terras pinturas rupestres, lagos, rios, e outras atrações que esperam a descoberta dos turistas.

Nem mesmo os guias sabem afirmar o número exato de cachoeiras e atrativos, mas juram que ainda há atrações a descobrir. Enormes pedras que despontam no topo e lembram mesas de vários tamanhos, rios e nascen­tes com águas mornas, formações rochosas exuberan­tes, além de rica fauna e flora, fazem dessa região uma aposta certeira de que os atrativos do Maranhão não se limitam apenas à sua bela capital e a região dos Lençóis.

A Chapada das Mesas pode ser curtida e aproveitada durante todo ano. Do alto do Morro do Chapéu, o mais impactante deles, parece que a Chapada não tem fim. Cenários belíssimos e dezenas de mesetas enfei­tam a paisagem. No infinito, o contorno mágico do Rio Tocantins, uma dos mais belos que já tive a opor­tunidade de ver.carolina-ma-foto-adilson-zavarize-253

Somente em Carolina, já foram catalogadas mais de 100 cachoeiras além de 400 nascentes e, por isso, a cidade tem o apelido de “Paraíso das Águas”, ou Pla­neta Água! Ela é base para explorar outras atrações da região, como Riachão, com lagos de cor azul turquesa, Tasso Fragoso, com suas pinturas rupestres, e a vizinha Filadélfia, já no estado de Tocantins, do outro lado do rio, e que oferece praias e paisagens indescritíveis.

Estância Ecológica Vereda Bonita: Lição de preservação!carolina-ma-foto-adilson-zavarize-080

As trilhas foram desenvolvidas para os visitantes que vão desfrutar da prática de caminhada rústica, dos banhos em piscinas naturais e cachoeiras de águas cristalinas, e que possam também despertar a cons­ciência ecológica nos visitantes. Marcelo Assub já tem experiência com a atividade turística há mais de 20 anos. Paulistano, ele resolveu investir na região. É pro­prietário da Estância Ecológica Vereda Bonita, bem no entorno do Parque. Pode-se afirmar que o local é o mais novo atrativo turístico da região. Ali, os turistas realizam trilhas ecológicas, sempre acompanhadas por guias, que discorrem sobre a importância do meio am­biente em suas vidas. No local, o turista planta uma muda de árvore e ajuda a preservar uma área que an­tes servia aos caçadores de animais silvestres.

Pinturas Rupestres em Tasso Fragoso

É no município de Tasso Fragoso que está a maior referência maranhense em sítios arqueológicos – devi­do à relevância do patrimônio. Lá se concentra o maior número de sítios arqueológicos do Maranhão. As des­cobertas feitas até o momento revelam a existência de vestígios como gravuras rupestres no interior de grutas e paredões rochosos em serras de arenito.complexo-arqueologico-tasso-fragoso-ma-219

Os vários sítios arqueológicos identificados até agora mostram uma estratégia peculiar: os abrigos localizados próximos a cursos d’água e em encostas. Com isso, os ocupantes tinham maior facilidade para obter alimen­tos e matéria-prima para elaborar objetos e ferramentas do dia a dia, além de proteção e abrigo contra os peri­gos naturais de grupos inimigos e da própria selva.

Já foram encontrados vários objetos líticos lascados como machadinha, cerâmicas, várias pedras de cortes, raspadores e dois moedores. No Maranhão, a maioria da população ainda desconhece a riqueza arqueológi­ca do estado no que consiste aos registros rupestres.

A cidade ainda tem pouca estrutura para receber tu­ristas, dispondo de apenas dois pequenos meios de hos­pedagem, mas vale dar uma esticadinha e explorá-la.

O Azul intenso das lagoas de Riachão

Riachão é um antigo distrito de Carolina que foi ele­vado à categoria de vila em 19 de abril de 1833. A cidadezinha é charmosa, porém ainda com pouca es­trutura de hospedagem: são apenas cinco pousadas.

Experimentar a vida ao ar livre, visitar cenários ma­jestosos como as montanhas de arenito que servem de berçário as araras Canindé, vermelhas e azuis, a lagoa rodeada de carnaúbas frondosas ou mergulhar nas águas quentinhas do balneário municipal são apenas algumas das possibilidades de interação com a vida do campo. A observação de pássaros também é uma atividade nova.riachao-ma-2-foto-adilson-zavarize-051

Grande parte das terras de Riachão está preserva­da dentro do Parque da Chapada das Mesas. Uma regra básica é não esquecer a máscara de mergulho e a câmera a prova d’água. O centrinho da cidade é puro charme, com pracinha, coreto, jardins, fonte e a charmosa matriz de Nossa Senhora da Conceição que abraça toda a região central.

Cachoeiras, rios e nascentes

Para conhecer as atrações da Chapada das Mesas, você precisará de, pelo menos, cinco dias completos. Aproveite para relaxar nas cachoeiras, para mergulhar em lagoas cristalinas e apreciar cada minuto as trilhas.

Você pode começar o seu roteiro visitando as Ca­choeiras de Itapecuru, ou também conhecida como cachoeiras gêmeas. Aqui, há infraestrutura para você passar a manhã inteira curtindo as águas que despen­cam de duas lindas quedas, formando um imenso lago onde você também pode andar de caiaque. Ela fica no povoado de São João das Cachoeiras, a 30 quilôme­tros do centro de Carolina.carolina-ma-3-foto-adilson-zavarize-161

Depois do almoço visite o Balneário Queda D’água, onde a barragem de uma antiga hidrelétrica se trans­formou em piscina. Mais tarde, siga para a Cachoei­ra do Dodô. Ela é uma das menores, mas é uma das mais queridas da Chapada. No fim do dia, volte para Carolina e corra para ver o pôr do sol no Rio Tocan­tins, talvez o mais lindo que você verá nesta região. Aproveite para praticar o relaxante stand up paddle nas águas cristalinas do Rio Tocantins, operada pela agência Torre da Lua.

No dia seguinte, tome um café da manhã reforçado e comece o seu roteiro adentrando numa grande área do Parque, onde estão duas das mais exuberantes ca­choeiras da Chapada das Mesas: a de São Romão é a mais volumosa delas, e a Cachoeira da Prata, tem esse nome por causa dos reflexos do sol que deixam suas águas metalizadas. São 85 quilômetros de viagem, sendo que 50 deles em estrada de chão. Justamente por isso, indicamos que você contrate um guia e use apenas veículos 4X4. Consulte os serviços da Cia do Cerrado, Ilton Tour ou Zeca Tour, as agências mais so­licitadas da região.

Quando a noite cair, aproveite para caminhar na área central de Carolina e conheça um pouco de seus mais de 200 prédios históricos. O Museu Histórico é imperdível com ótimas exposições temporárias e salas temáticas. Em Carolina existem boas opções de bares e restaurantes e uma grande diversidade de opções de hospedagem.carolina-ma-foto-adilson-zavarize-125

Mais um dia se anuncia. Aproveite para curtir o Complexo da Pedra Caída, que oferece uma grande infraestrutura. A 36 quilômetros do centro de Carolina em direção a Imperatriz, o complexo tem uma enorme área destinada ao turismo de aventura. São nada me­nos que 25 quedas d’água, sendo que a principal de­las é a Cachoeira do Santuário, um dos passeios mais emocionantes do roteiro. A queda despenca de uma altura de 46 metros. Por estar escondida no fundo de um cânion, quando você termina a trilha e vê a sua grandeza a emoção é indescritível. O local oferece vá­rias tirolesas. Uma delas tem 1.400 metros de compri­mento e fica a 392 metros de altura, sendo a mais alta da América do Sul e a segunda mais extensa do país – a primeira fica na cidade de Pedra Bela, em São Paulo.

Antes de o dia terminar, siga para o Portal da Chapa­da para ver a paisagem a partir de uma abertura natu­ral esculpida no arenito. De lá é possível apreciar boa parte da extensa vegetação, os Pilares da Chapada e o fabuloso Morro do Chapéu em todo o seu esplendor. A subida é íngreme e exige bastante preparo físico. Leve água em abundância para hidratar-se, além de óculos escuros e protetor solar. Não perca o pôr do sol!

Poço Azul, Encanto Azul e mais cachoeiras

Começamos nosso roteiro por Riachão visitando o Encanto Azul e as suas cachoeiras. Embarcamos na caminhonete 4X4 e podemos afirmar que o roteiro é uma aventura “off road”. A estrada de terra é belíssi­ma e de hora em outra nos deparamos com raposas, revoada de maritacas e até alguns casais de seriemas. Num percurso de pouco mais de 25 km partindo do centro da cidade até chegar à propriedade privada, ainda com modesta infraestrutura, – só uma lojinha que vende água e refrigerante e que fica bem na en­trada do atrativo.riachao-ma-2-foto-adilson-zavarize-111

O nome faz jus ao local: águas transparentes, de um belíssimo azul, cercadas de enormes rochas de areni­to e árvores nativas e frutíferas do cerrado. Perfeito para a prática do snorkeling, sempre na companhia de pequenos peixes. É impossível resistir! Não fosse pelos demais atrativos ainda por visitar, teria sido fácil permanecer ali o dia todo. No Encanto Azul, o valor de entrada é de R$ 20,00 por pessoa.

Para encerrar com “chave de ouro” a sua viagem, vá ao Poço Azul. Num raio de 600 metros estão, além do lago, outras seis cachoeiras, cada uma com sua peculia­ridade. É cobrada taxa de R$ 50,00 por pessoa e o acesso é facilitado por meio de seguras passarelas de madeira.

Passamos pelas pequenas Cachoeiras de Santa Paula e do Moreno e seguimos para a Cachoeira de Santa Bárbara, a mais alta da região, com 75 metros. A força da queda gera uma névoa contínua e é bom ter cui­dado com equipamentos eletrônicos. A imagem dela é estonteante e um mergulho com um jaleco salva vidas é recomendável.carolina-ma-3-foto-adilson-zavarize-185

Depois seguimos para o Poço Azul, o ponto alto da nossa viagem. O local é uma área privada com diversas cachoeiras, piscinas naturais e estrutura para hospe­dagem e atividades de ecoturismo. As atrações mais famosas possuem acesso por passarelas de madeira construídas entre os enormes penhascos. A subida exi­ge bastante fôlego para quem está fora de forma, mas o esforço é recompensado depois de curtir as águas cristalinas da região.

O Poço Azul é a última atração e a mais cobiçada. A enorme piscina natural tem 5 metros de profundidade e seu fundo é coberto de pedras de calcário, deixando a água com visibilidade 100%. É abastecido com as águas quentinhas do Rio Cocal, sempre com uma temperatura de 22 graus, ideal para aliviar do calor constante. No lado próximo ao penhasco, é possível se refrescar em algumas pequenas cachoeiras que de­sembocam no poço. Outra atração é banhar-se na Ca­choeira D. Luiza, também muito bela.

Tinha tanta coisa pra falar que não deu pra discor­rer sobre a gastronomia. Mas posso afirmar que em qualquer das cidades você irá se deliciar com a galinha caipira, a carne de sol, os peixes fresquíssimos, a deli­ciosa farinha de mandioca e os sucos de frutas natu­rais, como maracujá, goiaba, abacaxi e bacuri.

Tenha a certeza de uma coisa: a Chapada das Me­sas e suas belas cidades não é um produto turístico para as grandes massas. Ecossistema frágil, mesetas e morros esculpidos pela ação do vento e das chuvas, abundância de nascentes e um espetáculo único que a natureza nos oferece. Aposte nesse roteiro. Bálsamos para os olhos, fortalecimento do espírito e um reen­contro com uma palavra pequena, mas de enorme profusão: a Paz!

Como chegar

De avião, partindo de São Paulo, Brasília ou São Luis descer em Imperatriz em voos da LATAM e Azul. De lá são cerca de 220 quilômetros até Carolina. Um trajeto mais curto é ir de Passaredo até Araguaína no Tocantins, que fica a 180 km de Carolina. Quem vem do Piauí, o melhor trajeto é o rodoviário, com op­ção de seguir via a cidade de Balsas.

Onde ficar

RIACHÃO

Pousada Chapada das Mesas

CAROLINA

New Center Hotel

Pousada dos Candeeiros

Pousadinha Filhos d’água

Pousada do Lajes

Pedra Caída

Onde comer

RIACHÃO

Restaurante e Pizzaria Casa de Palha.

CAROLINA

restaurantemotocozin.com.br

facebook.com/mocotozinrestaurante

Espaço Gourmet

Rua Augusto dos Santos, s/n, Centro

Texto por: Cláudio Lacerda Oliva

Fotos: Adilson Zavarize

Jornalista e fotógrafo viajaram a convite da Secretaria de Turismo do Maranhão e Prefeitura de Carolina e Riachão.

Comentários