logo

Telefone: (11) 3024-9500

6 razões para visitar as vinícolas do Alentejo | Qual Viagem Logo

Vineyard at Alentejo region

6 razões para visitar as vinícolas do Alentejo

27 de novembro de 2017

Já se sabe que o Alentejo, região de Portugal, é um dos mais importantes destinos do mundo quando o assunto é enoturismo. Com seus cenários pitorescos e campos dourados, o destino reúne premiados rótulos, além de uma vasta oferta de vinícolas por todo o seu território. São mais de 250 produtores e vinhas que se estendem por mais de 20 mil hectares, com muitas variedades de uvas e tipos de produção, que resultam em aromas e notas exclusivos. O ideal é aproveitar as pequenas distâncias, percorrer o maior número de lugares e vivenciar experiências únicas. Confira abaixo os principais motivos para se esbaldar e visitar mais de uma vinícola durante sua estadia na maior região portuguesa.

As melhores paisagens do Alentejo

Foto por GONCALO VILLAVERDE

Foto por GONCALO VILLAVERDE

Em cada canto da região há uma vinícola a ser descoberta. Em sua maioria, as propriedades estão localizadas um pouco mais distantes das cidades alentejanas e impressionam por seus campos de vinhas e outros tipos de vegetação. Por isso, esta é a oportunidade perfeita para se deslumbrar nos panoramas bucólicos e desvendar os pequenos tesouros ao longo das estradas alentejanas.

Variados tipos de produção

Foto por Divulgação

Foto por Divulgação

Prepare-se para ver os variados processos da fabricação do vinho. Há vinícolas com produção em grande escala e outras que prezam pela simplicidade de uma técnica centenária e muito mais lenta. Para o estágio de armazenamento, há métodos distintos também: o mais comum é usar barris de carvalho francês. Porém, algumas fazem a fermentação em depósitos de inox, o que dá um sabor diferente à bebida. A Herdade do Rocim, na pequena vila de Cuba, utiliza a talha – técnica ancestral de fermentação em grandes recipientes feitos de barro – e a Adega Ervideira envelhece um de seus mais famosos vinhos nas águas do Lago Alqueva.

Em cada vinícola, uma atração diferente

Foto por Divulgação

Foto por Divulgação

Além das visitas guiadas às caves e adegas, são inúmeras as atividades para se fazer nas vinícolas. Na Quinta do Quetzal, nos arredores de Beja, os visitantes são brindados com exposições de arte contemporânea. Já a Adega Mayor, em Campo Maior, proporciona passeios de balão de ar quente e piqueniques. Em meados de setembro, os visitantes podem colocar a mão na massa e participar das vindimas, o período de colheita, e da pisa das uvas.

Gastronomia singular

Foto por Divulgação

Foto por Divulgação

Na região do Alentejo, “bebe-se” bem, mas “come-se” melhor ainda. Uma das mais autênticas gastronomias de Portugal, a experiência em vinhos fica ainda mais completa quando estes são harmonizados com as deliciosas comidas típicas, como carne de porco e cordeiro. A Herdade da Malhadinha Nova, em Albernoa, conta com um restaurante com pratos sofisticados, todos inspirados na culinária local. A Adega Cartuxa, em Évora, famosa devido ao conceituado Pêra-Manca, tem um cardápio perfeito para acompanhar a degustação.

Vinhas a perder de vista

Foto por Divulgação

Foto por Divulgação

Quanto mais vinícolas visitar, mais irá aprender sobre as influências de sabores. Uma das características do vinho alentejano é a mescla de diferentes frutos da vinha. A Herdade do Esporão, em Reguengos de Monsaraz, planta mais de 40 tipos para produzir suas marcas. Entre as castas mais usadas estão Aragonês, Trincadeira e Touriga Nacional, entre os tintos; e Antão Vaz, Roupeiro e Arinto, nos brancos. As variedades de solos encontrados no destino também determinam esses sabores.

Quanto mais vinho, melhor

Foto por Divulgação

Foto por Divulgação

Experimentar uma boa taça de vinho é uma experiência fascinante que permite conhecer o sabor, a textura e o aroma das bebidas de alta qualidade, como as produzidas no Alentejo. Para os apreciadores desta iguaria, a prova vínica já é uma boa razão para ir a diferentes locais e saborear das mais diversas marcas e tipos, como tintos, rosés e brancos. Os iniciantes ainda podem aprender mais sobre como degustar, usando todos os sentidos para obter sensações únicas que só o vinho alentejano proporciona.

Mais informações em: turismodoalentejo.com.br

Texto por: Agência com edição de Patrícia Chemin

Foto destaque por: iStock / inaquim

Comentários