logo

Telefone: (11) 3024-9500

5 vulcões para conhecer nos arredores de Quito | Qual Viagem Logo

Young female backpacker/tourist watching over the Volcanic Quilotoa Crater lake in a moment of contemplation during the Quilotoa Loop hiking Pole. The Quilotoa Crater Lake is located near the city of Latacunga, south of Quito, Ecuador.

5 vulcões para conhecer nos arredores de Quito

22 de janeiro de 2019

O Equador concentra 64 vulcões em seu território – um número impressionante, principalmente se considerarmos que sua área equivale à do Rio Grande do Sul. E é em plena Avenida dos Vulcões (como é chamado um extenso vale que corta o país de norte a sul, ladeado pelos Andes) que se encontra a capital, Quito. Em um raio de cerca de 60 km a partir da cidade, há vários vulcões, sendo que muitos podem ser visitados. Esses inusitados pontos turísticos reservam uma série de atividades, além de paisagens inesquecíveis. Conheça alguns deles:

Cotopaxi

Foto por iStock / PatricioHidalgoP

Foto por iStock / PatricioHidalgoP

Com 5.897 metros de altitude, o Cotopaxi é um dos vulcões mais conhecidos do Equador e o segundo vulcão ativo mais alto do mundo, com seu pico simétrico e coberto de neve eterna. Atualmente, é proibido subir ao topo do Cotopaxi, mas só admirar sua grandeza a partir dos arredores já vale o passeio. Seu parque nacional fica a cerca de 60 km ao sul de Quito. Ali é possível fazer trilhas ou andar a cavalo em torno do vulcão e visitar a laguna de Limpiopungo.

Cotacachi

Foto por iStock / PatricioHidalgoP

Foto por iStock / PatricioHidalgoP

Junto à cidade homônima, o vulcão Cotacachi possui um lago dentro de sua caldeira – a Laguna Cuicocha. Ela está a 3.068 metros acima do nível do mar e foi formada pela água da chuva e do degelo do próprio vulcão desde sua última erupção, há centenas de anos. Há duas ilhotas no meio, em torno das quais são feitos passeios de barco. Navegar dentro de um vulcão é com certeza uma experiência única. Fica dentro de uma reserva, cuja entrada é gratuita. Para chegar até a laguna, é possível fazer a subida de carro até o centro de visitantes, onde há um café e banheiros.

Quilotoa

Foto por iStock / AlbertoLoyo

Foto por iStock / AlbertoLoyo

O vulcão Quilotoa tem um visual semelhante. Em sua cratera está um deslumbrante lago que varia entre os tons azul turquesa e esverdeado. É possível descer até a margem, porém as melhores vistas são as dos mirantes no topo da cratera. Também há opções de trekking no entorno.

Antisana

Foto por iStock / PatricioHidalgoP

Foto por iStock / PatricioHidalgoP

Mesmo com seu pico nevado (o mais próximo do tipo a Quito), o Antisana é rodeado por páramos (campos andinos quase desérticos). Esse vulcão também é cercado por lagos, como a Laguna de Mica (ou Micacocha), e campos onde podem ser avistados os condores andinos. O Antisana possui uma altitude de 5.704 metros.

Pichincha

Foto por iStock / PatricioHidalgoP

Foto por iStock / PatricioHidalgoP

Bem ao lado de Quito, o Pichincha é na verdade uma elevação formada por vários picos – entre eles, dois vulcões: o Rucu e o Guagua. O teleférico de Quito te leva até os quase 4.100 metros de altitude em poucos minutos, aos pés do Pichincha. Ali, você terá uma vista privilegiada dos vulcões da região. Mas, se quiser mais aventura, pode fazer a trilha que leva até o topo do Rucu (4.696 m) e, depois, até o do Guagua (4.776 m). Leva de oito a dez horas para percorrer todo o caminho e é recomendado ir com um guia especializado por causa da altitude elevada.

Mais informações em: quitotravel.ec

Texto por: Patrícia Chemin

Foto destaque por: iStock / SL_Photography

Comentários