logo

Telefone: (11) 3024-9500

5 destinos naturais obrigatórios para conhecer na Bolívia | Qual Viagem Logo

Foto por Istock/ YoriHirokawa

5 destinos naturais obrigatórios para conhecer na Bolívia

19 de setembro de 2017

Do deserto de sal ao parque com a maior biodiversidade do mundo: o país vizinho pode ajudar a compreender a natureza – ou torná-la ainda mais misteriosa

Na esteira da expansão dos destinos turísticos na América do Sul na última década, o número de turistas brasileiros na Bolívia aumentou significativamente neste mesmo período. Segundo dados do governo boliviano, entre 2008 e 2013, por exemplo, visitantes do Brasil ultrapassaram argentinos e estadunidenses na lista de maiores viajantes ao país por rotas aéreas, mudando não apenas as rotas turísticas como o mercado turístico da nação vizinha.

Os números tendem a aumentar ainda mais no ano que vem, quando as passagens aéreas para os principais aeroportos bolivianos tendem a diminuir até 25%, segundo dados da agência de viagens online, ViajaNet. Os valores dos bilhetes ficarão mais baratos até do que algumas capitais nordestinas ou cidades internacionais mais próximas, como Montevidéu, no Uruguai.

Foto por IStock/ claudiio Doenitz

Foto por IStock/ claudiio Doenitz

Em 2008, 13% dos turistas que chegavam à Bolívia via aérea eram provenientes dos Estados Unidos. O Brasil tinha uma proporção de 10%. Cinco anos depois, em 2013, os turistas brasileiros ultrapassaram a marca de 30 mil pedidos de entrada em solo boliviano, num período em que aumentou significativamente a chegada de chilenos, colombianos, japoneses, canadenses, alemães e australianos.

O dado mais relevante dessa conclusão é o que mostra que, entre 2008 e 2013, o número de estrangeiros que entraram na Bolívia passou de 203 mil para 330 mil – aumento de 62%. A grande maioria deles, interessada em desbravar as paisagens andinas bolivianas, seus terrenos particulares, sua história pré-colombiana e sua localização geográfica privilegiada, fez com que as chegadas de turistas estrangeiros ao país aumentassem 62% entre 2008 e 2013, segundo o Instituto Nacional de Estatística da Bolívia.

Em 2015, o governo boliviano revelou que 881 mil estrangeiros chegaram ao país, sendo mais da metade por vias aéreas e se hospedando em La Paz. Isso significa um novo salto, de 166%, em relação aos números de 2013. “A Bolívia espera o mundo com muito respeito, hospitalidade e generosidade”, afirmou o presidente Evo Morales naquele ano.

Para ajudar os brasileiros a descobrirem ainda mais o país vizinho, Qual Viagem fez uma lista com cinco destinos naturais obrigatórios para quem cruzar a fronteira.

Salar de Uyuni, Uyuni, Potosí

Foto por Istock/ RicksonLiebano

Foto por Istock/ RicksonLiebano

550 km de La Paz

Em 2013, no Dia Mundial do Turismo, o presidente boliviano, Evo Morales, escolheu o Salar de Uyuni para comemorar o aumento significativo no número de visitantes estrangeiros ao país naquele ano. “A Bolívia espera o mundo daqui”, disse ele, não sem razão. A planície de 10 mil quilômetros de sal situada a 3.600 metros do nível do mar, na província de Potosí, é a principal referência turística do país no exterior, recebendo cerca de 60 mil visitantes por ano.

Segundo estudos científicos, havia um grande lago na região há 40 mil anos, durante um período mais úmido da Cordilheira dos Andes. No entanto, um espaço temporal mais seco, iniciado há 10 mil anos, extinguiu as águas aos poucos, formando lagos menores durante o período e deixando, enfim, apenas as reservas profundas de sal, lítio e magnésio. Hoje, o que sobrou ajuda na economia nacional: 25 mil toneladas de sal são extraídas anualmente do salar, vendidas para diversos países.

Outros componentes minerais também são retirados para exportação, como o lítio, em que o terreno do salar concentra 9 das 34 milhões de toneladas do metal existente no mundo. Ele é utilizado na produção de baterias de celulares e de veículos elétricos. Segundo o jornal britânico The Economist, a tonelada do lítio custa US$ 13 mil no mercado internacional.

Além das matérias-primas, o Salar de Uyuni se tornou fonte de renda pelo interesse cada vez maior de turistas do mundo todo a partir dos anos 1960, quando as expedições espaciais mostraram que ele é o elemento natural visto de fora do planeta. Hoje, o terreno branco é utilizado até para calibrar satélites em órbita. Quem está em terra firme, porém, pode conhecer as diversas paisagens – entre lagunas e montanhas coloridas – por meio das agências de viagens que organizaram expedições na pequena cidade de Uyuni.

Lago Titicaca, Copacabana, La Paz

Foto por Istock/ DC_Colombia

Foto por Istock/ DC_Colombia

72 km de La Paz

Na divisa entre Peru e Bolívia, o Lago Titicaca possui diversos significados históricos, culturais, econômicos e políticos para os dois países. Reserva de água navegável mais alta do mundo, a 3.800 metros do nível do mar, é um dos principais destinos turísticos dos dois países, com cerca de 60 mil visitantes por ano, além de servir como rota de transporte de mercadorias e preservação de patrimônio humano.

O Titicaca está presente na literatura desde que o continente foi invadido pelos espanhóis, no começo do século XVI. Segundo relatos europeus, as grandes tribos indígenas pré-colombianas se estruturavam ao redor das suas águas, e algumas delas habitavam ilhas naturais ou construídas na superfície do lago. Os Incas, por sua força militar e sua organização política, controlavam boa parte do território.

Uma das provas da superioridade Inca é a chamada Ilha do Sol, na parte boliviana do lago, onde os indígenas acreditavam que a sua divindade suprema havia nascido. Hoje, a região ainda é habitada por índios que vivem da agricultura e do artesanato, dependente do mercado de turistas que chegam em massa ao local. A parte mais alta da ilha fica situada a quase 4 mil metros de altura do nível do mar. Além dela, há outras 14 ilhas e um arquipélago com pequenos terrenos.

Illimani, La Paz, La Paz

Foto por Istock/ raul sivila garcia

Foto por Istock/ raul sivila garcia

25 km da zona urbana de La Paz

Todas as fotografias panorâmicas de La Paz, sede do governo boliviano e cidade mais importante do país, se norteiam pela montanha Illimani, ao noroeste da cidade e que, com seus mais de 6 mil metros, permite ser vista de qualquer ponto da metrópole. O que pouca gente sabe é que ela pode ser visitada em determinados período do ano.

Aos pés da montanha, os turistas costumam visitar vales andinos, rios gelados nas fendas das rochas, bosques de neblina e habitats naturais de animais característicos da região, como uma borboleta que leva o mesmo nome. As viagens são organizadas a partir de La Paz entre junho e agosto, quando as estradas ficam acessíveis para veículos comuns e permitem até chegar ao topo do cume, onde é possível ver até a fronteira da Bolívia com o Peru.

Por sua proximidade com a cidade, a montanha faz parte da cultura paceña: em 2012, o parlamento da província de La Paz a decretou patrimônio estatal. Antes disso, na própria construção da cidade, algumas avenidas foram projetadas para permitir uma visualização perfeita da Illimani no horizonte – parte de um projeto de resgate da montanha como ponto de referência, como era no período pré-colombiano.

A Illimani faz parte da chamada Cordilheira Real, que ainda possui outras montanhas conhecidas, como a Illampu, a Hanko Uma e a Huayna Potosí, todas com mais de 6 mil metros de altura e próximas de La Paz.

Cerro Rico, Potosí, Potosí

Foto por Istock/ saiko3p

Foto por Istock/ saiko3p

540 km de La Paz

Ao contrário dos outros destinos turísticos dessa lista, os tours turísticos para Cerro Rico, em Potosí, revelam outra faceta das riquezas naturais bolivianas: a miséria que elas podem causar. Principal ponto de exploração de prata do mundo durante o século XVII, foi um dos locais de maior concentração de colonizadores espanhóis do continente, que construíram uma mina e a cidade ao redor para abastecê-la.

Em Veias Abertas da América Latina, o escritor uruguaio Eduardo Galeano lembra que alguns cronistas da época diziam ser possível construir uma estrada de prata entre Potosí e Madrid, na Espanha, durante o período colonial, tamanha era a quantidade de metal retirada da montanha naquela época. Exageros à parte, a exploração mineira e todas as suas facetas permanecem até hoje na região.

Segundo relatos de viajantes, os passeios turísticos ao Cerro Potosí incluem, por exemplo, a compra de artefatos explosivos para serem oferecidos à entidades religiosas dos mineradores – a mais conhecida delas chamada El Tio. Nas excursões, os turistas entram em contato com homens que permanecem até 20 horas embaixo da terra procurando por minérios de valor, atividade que exige consumo alto de folhas de coca e de bebidas alcoólicas.

Apesar disso, a montanha também é parte da história da Bolívia, da exploração espanhola nos Andes e do próprio continente, já que foi da literatura europeia por muito tempo e fez parte até do imaginário popular durante boa parte da colonização sul-americana.

Parque Nacional Madidi, Franz Tamayo, La Paz

Foto por Istock/piccaya

Foto por Istock/piccaya

258 km de La Paz

Em março de 2000, a revista estadunidense National Geographic publicou uma extensa reportagem afirmando que o Parque Nacional Madidi, na província de La Paz, é uma das principais reservas naturais do mundo. Com mais de 3.200 espécies de animais e 2.800 tipos de plantas, além de comunidades indígenas assentadas que falam idiomas nativos, se tornou desde então um dos principais destinos dos turistas – notadamente os dos Estados Unidos.

Pelo parque passa também um dos rios mais importantes do país, o Beni, onde existem espécies únicas de piranhas de água doce. Chama a atenção também o fato de, no mesmo parque, ser possível encontrar regiões nevadas e outras com planícies amazônicas. Segundo estudos da organização internacional Wildlife Conservation Society (WCS), o parque é o que possui a maior biodiversidade entre todos os parques do mundo. Ainda segundo a WCS, 11% das espécies de pássaros do mundo estão no Madidi.

Recentemente, o parque voltou a chamar a atenção mundial pelos projetos do governo boliviano de construir uma usina hidrelétrica no rio Beni, dentro do parque. Segundo a WCS, o projeto pode inundar uma imensa área repleta de biodiversidade do parque.

Texto por: Agência com edição Eliria Buso

Foto destaque por Istock/ YoriHirokawa

Comentários