logo

Telefone: (11) 3024-9500

Jericoacoara: menos tempo de viagem, mais alegria e prazer | Qual Viagem Logo

Foto por IStock/ xeni4ka

Jericoacoara: menos tempo de viagem, mais alegria e prazer

11 de outubro de 2017

Nunca se falou tanto em Jericoacoara quanto nos últimos meses! Os novos voos que facilitam o acesso a um dos principais destinos cearenses, assim como a taxa de visitação, cobrada desde meados de setembro, tomaram as redes sociais e prometem esquentar a – já fervente – temporada de verão 2017/ 2018.

Foto por Istock/ tunart

Foto por Istock/ tunart

Para quem andou alheio às notícias, nós explicamos. A vila – badalada pelos turistas do Brasil e do mundo, porém rústica – tinha um acesso nada fácil até então. Os visitantes chegavam até ela, em geral, a bordo de sacolejantes 4×4, já que boa parte da estrada tem dunas e trilhas de areia.

Mas desde junho, essa logística mudou bastante por lá. Agora, com a abertura do aeroporto regional, situado no município de Cruz, a 48 quilômetros de Jeri, o lugar recebe voos regulares de Campinas, São Paulo e Recife. Entre fretados e voos regulares, o destino espera aumentar em até 7% o número de desembarques neste primeiro ano.

A outra notícia que chamou a atenção dos apaixonados por Jericoacoara é a de que a vila passa a cobrar taxa de visitação, nos moldes da também paradisíaca Fernando de Noronha. Desde 21 de setembro, o visitante deve pagar uma taxa de conservação de R$ 5 por dia de estada.

Foto por Istock/ Phaelnogueira

Foto por Istock/ Phaelnogueira

Jericoacoara – mar de tranquilidade 

Um dos locais mais frequentados por turistas na América do Sul não tem iluminação elétrica pública, calçadas ou ruas pavimentadas. Trata-se de uma vila, simplesmente uma das mais frequentadas da América do Sul: Jericoacoara.

Cravada entre o mar e as dunas, próxima a lagoas cristalinas de água doce, a localização peninsular coloca Jericoacoara entre os poucos lugares no Brasil de onde o turista tem o privilégio de assistir ao nascer e ao pôr do sol no oceano. Suas praias de mar aberto, ondas grandes e vento forte são perfeitos para windsurf.

Jericoacoara foi declarada Área de Proteção Ambiental (APA) há cinco anos e transformada em Parque Nacional, portanto, não se pode mais construir rodovias, estradas e nem sequer pavimentar as já existentes.

Inversamente proporcional ao seu tamanho é o reconhecimento: Jericoacoara garantiu no final de 2016 a 3ª posição dentre os 43 melhores destinos do mundo no prêmio Travelers’ Choice Destinos em Alta, do TripAdvisor.

Windsurf e Kitesurf – a energia dos ventos 

Foto por IStock/ tunart

Foto por IStock/ tunart

As praias locais de Jericoacoara têm boas correntes de vento, um paraíso para os praticantes de windsurfe e kite: mistura de windsurf com esqui, wakeboard, surf e voo livre. O kitesurf consiste em deslizar sobre a água numa prancha impulsionada por uma asa que funciona como pipa. Há instrutores no local e a diversão é garantida. Os praticantes de windsurf, em geral, preferem a praia Malhada, local também eleito pelos nudistas, enquanto à praia do Preá vão os de kitesurf.

O lindo passeio à Pedra Furada 

A Pedra Furada é um dos mais famosos cartões-postais da região. Localizada a trinta minutos de caminhada a partir da praia de Jericoacoara (seguindo à direita), a formação basáltica à beira-mar tem um orifício de 4 metros formado pela ação dos ventos da região. O maior espetáculo dessa pedra é proporcionado em julho, quando o sol se põe do outro lado do “furo”.

Foto por Istock/ tunart

Foto por Istock/ tunart

A caminhada da vila até a pedra é de três quilômetros e pode ser feita pela praia, mas somente durante a maré baixa. Durante o passeio se nota outras diversas formações rochosas da região como a Cama e a Banheira da Princesa, a mini-pedra furada, as pedras do Jacaré e da Tartaruga, além da caverna dos morcegos. Caso a maré esteja cheia, o passeio precisa ser feito via Morro do Serrote. Em média, a caminhada é de 40 minutos.

O espetáculo da Duna do Pôr do Sol

A Duna do Pôr do Sol é outro importante ponto de referência para apreciar a despedida do astro-rei junto ao azul do mar aos finais de tarde. A bela montanha de areia de 30 metros, bem e frente à praia de Jeri, costuma formar plateias superlotadas para o evento.

Foto por TECA LAMBOGLIA FOTOGRAFIA

Foto por TECA LAMBOGLIA FOTOGRAFIA

Praia ou lagoa? Depende

Em Jericoacoara, há quem prefira água doce ao invés de salgada, daí, duas opções se destacam: a Lagoa Azul e a do Paraíso. A coloração azul traz a sensação de estar numa praia do caribe. Assim fica difícil escolher a melhor. A encantada LagoaAzul

Próximo ao Parque Nacional de Jericoacoara, já no município de Cruz, o clima tropical e vegetação rasteira envolvem toda a Lagoa Azul – local onde se pode praticar mergulho e ficar bem perto de peixes coloridos e feixes de luz do sol refletidos no azul. Uma das mais bonitas e limpas do Brasil, a magia e o encantamento da Lagoa Azul proporcionam passeios românticos ao final de tarde. Suas águas transparentes e azuis mudam de tom em cada época do ano. Para a família, é o local apropriado para ensinar as crianças a nadar. A Lagoa faz parte de uma Área de Proteção Ambiental (APA).

Foto por Istock/ tunart

Foto por Istock/ tunart

No local, duas barracas oferecem redes gratuitas quase submersas para se deitar com parte do corpo na água transparente, além de cadeiras, guarda-sol e cardápio com petiscos. A lagoa tem coloração azulada lindíssima, como numa praia do Caribe e a água não é gelada. Para quem quiser se hospedar pertinho, é possível encontrar pousadas a cerca de 300 metros da lagoa.

Lagoa do Paraíso – beleza e muita diversão 

O nome da lagoa faz jus ao esplêndido lugar: 10 quilômetros de extensão de praia de água doce e transparente, com tons azuis e verdes, rodeada por areia branca e fina. Dentro dela, redes coloridas montadas sobre a água, de onde o visitante contempla, enquanto descansa, a deslumbrante paisagem ao seu redor. O trajeto à refrescante lagoa do Paraíso passa por entre dunas e estradas de terra durante 30 minutos. Em geral, o acesso ao local é feito de buggy. Para seguir com o próprio veículo se recomenda a contratação de guia e, mesmo assim, é bom estar atento a trechos com lama ou pequenas lagoas. Ao final do trajeto, a recompensa: na enorme Lagoa do Paraíso o visitante terá ao seu dispor o The Alchymist, um beach club que oferece aos clientes espreguiçadeiras brancas e barracas de praia, além de cardápio primoroso.

Foto por GUSTAVO PELLIZON

Foto por GUSTAVO PELLIZON

Vale a dica: quem deseja conhecer a Lagoa do Paraíso, a Pedra Furada e a Lagoa Azul, pode reservar junto ao hotel um dos vários bugueiros estacionados na pracinha de Jericoacoara ou contratá-los pessoalmente no local. Na pracinha do vilarejo também estão disponíveis caminhonetes e jardineiras direto para a Lagoa do Paraíso. Depois, é só combinar com o motorista o tempo de permanência em cada local.

A Árvore da Preguiça 

Cartão postal da Praia do Preá, a Árvore da Preguiça fica no caminho da vila para as lagoas. Numa área em que só se avista dunas pela frente, os fortes ventos da região impuseram dificuldade a uma árvore em a natureza levou a nascer. A atração virou ponto de parada para os turistas em busca de fotos diferentes: uma árvore com galhos de cerca de 4 metros que mais parece se rastejar sobre a areia. Beleza e inusitada numa região onde o maior atrativo é a água.

FOTO: ISTOCK / TUNART

FOTO: ISTOCK / TUNART

Litoral Oeste – passeio alternativo leva até a cavalos marinho

Em Jericoacoara existe um passeio de buggy com parada no delta do Guriú. Ali, o grande atrativo é seguir com um barquinho de madeira para ver cavalos marinhos nos mangues.

A navegação é feita num em um rio de água salgada. O passeio é Ideal para se fazer com crianças: elas podem chegar bem perto dos cavalos marinhos, aprender sobre eles a adquirir consciência ambiental sobre o habitat desses bichinhos.

Em seguida, o buggy é levado a atravessar o delta numa balsa (sem motor), impulsionada somente por varas de madeira. A travessia chega até Mangue Seco, uma verdadeira floresta de galhos e árvores secas, onde tem até uma barraquinha com água de coco, refrigerante e cerveja.

O passo seguinte é conhecer a Velha Tatajuba, cidade que foi engolida pelas areias nos anos 80. Na Nova Tatajuba, a vista para o mar é deslumbrante. Outro atrativo da região é praticar sandboard e esquibunda na duna do funil. O passeio termina na Lagoa Torta, onde se come e bebe com os pés na água.

Como chegar

Desde julho de 2017 está mais fácil chegar até Jericoacoara. Agora, há um aeroporto regional que recebe voos regulares e fretados a 48 quilômetros da vila. A Azul (voeazul.com.br) faz o trecho saindo de Campinas e Recife, com algumas paradas, enquanto a Gol (voegol.com.br) passa a operar, a partir de dezembro, primeiro voo direto São Paulo- Cruz (onde fica o aeroporto de Jeri). Para quem vai por Fortaleza, há ainda o modo mais conhecido de acesso, via 4×4. As caminhonetes fazem o percurso de cerca de 5h30 passando por alguns trechos de dunas e areias. Quem vai de carro próprio deve deixá- lo em um estacionamento no começo da vila e, de lá, fazer o trecho de 40 minutos com o 4×4.

Onde ficar

Pousada Jeribá
Pousada La Vie Jeri
Hotel Hurricane
Vila Kalango
Essenza Hotel

Onde comer

Freddyssimo
Bistrô Caiçara – Tel: (88) 99749-1000
Naturalmente – Tel: (85) 99700-6116
Cantinho da Tapioca
Romã Jericoacoara

Texto por: Pedro Teixeira e Eliria Buso

Foto destaque por IStock/ xeni4ka

Comentários