logo

Telefone: (11) 3024-9500

Espiritual e cultural: conheça a região de Kansai, no Japão | Qual Viagem Logo

Kyoto, Japan - April 5, 2016: Heian Jingu's Torii and Okazaki Canal with cherry blossom. Okazaki Canal connects the Lake Biwa Canal network with Kamo River

Espiritual e cultural: conheça a região de Kansai, no Japão

15 de abril de 2021

Ao centro-sul da principal ilha do Japão está localizada a região de Kansai, considerada um destino espiritual e cultural. Composta pelas províncias de Hyogo, Quioto, Shiga, Osaka, Nara e Wakayama, esta área reserva muitas opções para viajantes que buscam destinos para conhecer novas culturas, relaxar e recarregar as energias.

Kansai desempenha um papel importante na história do país. Na região, estão os primeiros palácios imperiais, castelos e um grande número de templos e santuários que expressam as principais correntes espirituais do país: o budismo e o xintoísmo. A natureza exuberante de sua geografia também contribui para colocá-la no mapa mundial como um dos principais destinos para turismo de bem-estar e espiritual.

A Organização Nacional do Turismo Japonês (JNTO) apresenta a região e as razões que fazem dela o coração da espiritualidade e da cultura japonesa. Confira os destaques:

Contato com a natureza e locais sagrados para meditar

Foto por iStock / Sean Pavone

Foto por iStock / Sean Pavone

As florestas, montanhas e trilhas de Kansai atraem muitos visitantes que buscam, além de uma viagem exterior, uma jornada interior. A região é muito frequentada durante o ano todo, principalmente durante a primavera e o outono, estações em que as cores se transformam e as folhas e flores decoram as paisagens.

Foto por iStock / coward_lion

Foto por iStock / coward_lion

Na região estão os Locais Sagrados e Rotas de Peregrinação nos Montes Kii, na Cordilheira Kii, que abriga diferentes trilhas que conectam locais considerados sagrados, templos e santuários com jardins zen cercados de florestas. São lugares onde é possível se conectar com a cultura local, meditar e participar de atividades espirituais. Patrimônio Mundial da Unesco, a área é composta pelo Monte Yoshino e Monte Omine, em Nara, e Kumano Sanzan e Koyasan, em Wakayama.

Monte Yoshino e Monte Omine

Os montes estão ao norte da cordilheira e são locais sagrados da Shugendô, uma religião que segue viva há mais de 1.200 anos, uma fusão do xintoísmo e do budismo, que reflete a tradição de culto às montanhas. O templo central do Shugendô é o Kinpusenji, localizado no Monte Yoshino. O local é ponto de parada de muitos peregrinos e é lar das três estátuas de pele azul de Zao Gongen, que têm 1.300 anos de idade e sete metros de altura cada. Elas representam o passado, o presente e o futuro de Buda. No local é possível, ainda, se hospedar e participar dos treinamentos com atividades de resistência física e mental que são parte para o caminho da busca da iluminação, de acordo com o Shugendô. Os eventos ocorrem de maio a outubro.

O Monte Omine é um dos mais altos da região, com 1.719 metros de altura. A subida para chegar ao topo é árdua, porém as vistas das cordilheiras valem o esforço. Nessas montanhas, é possível visitar o Templo Ominesanji, outro local sagrado do Shugendô, aberto somente para homens, e o Templo Ryusenji, cuja vista privilegiada garante a conexão com a natureza. Muitos chegam ao local pela trilha  Omine-Okugake, a partir do Monte Yoshino, que tem 100 quilômetros de extensão e conecta-se, também, aos três grandes santuários xintoístas de Kumano Sanzan, em Wakayama, no sudeste da Península de Kii.

Kumano Sanzan e Koyasan

Foto por iStock / ziggy_mars

Foto por iStock / ziggy_mars

Kumano Hongu Taisha, Kumano Nachi Taisha e Kumano Hayatama Taisha são os três santuários sagrados de Kumano. O primeiro é considerado o mais majestoso dentre os três e possui o maior portão torii do Japão, com 34 metros de altura e 42 metros de largura. Já o segundo é considerado o ponto de energia terapêutica mais conhecido do Japão. Próximo ao local, estão as Cataratas de Nachi, que ostentam a maior queda d’água do Japão, 133 metros. Acredita-se que quem bebe de suas águas terá boa sorte e uma vida longa. Já o último, além da edificação principal, que guarda doze deuses, tem mais de 1.000 tesouros sagrados, incluindo presentes das famílias imperiais dos séculos XV e XVI. Em seu entorno há monumentos naturais santificados como divindades, e o Nagi-no-Ki, pinheiro sagrado de 800 anos.

Foto por iStock / ziggy_mars

Foto por iStock / ziggy_mars

Por fim, está Koyasan, um dos maiores e mais imponentes centros budistas do Japão. O local com cerca de 1.200 anos de história é um vasto complexo, com mais de 100 templos. O principal deles é o Templo Kongobuji, sede da seita Budista Shingon, fundada pelo monge Kobo Daishi, cujo mausoléu está a uma pequena caminhada de distância no Templo Okunoin.

Relaxamento 

Kansai está sobre uma grande área de fontes de águas termais e tem muitas opções de onsens, locais para banhos, e ryokans – as famosas pousadas tradicionais do Japão que oferecem o melhor do omotenashi, a hospitalidade nipônica.

Foto por iStock / kuppa_rock

Foto por iStock / kuppa_rock

Quem escolhe percorrer as rotas de peregrinação e visitar locais sagrados tem a opção de se hospedar e desfrutar de spas e banhos terapêuticos nos pequenos vilarejos onsen pelo caminho. Destaque para as cidades Katsuura Onsen e Hongu Onsen, nas proximidades de Kumano, e Dorogawa Onsen, no acesso ao Monte Omine.

Outra opção de hospedagem são os shukubo, alojamentos nos templos, que oferecem a oportunidade de conhecer e vivenciar um pouco da vida monástica. As atividades destes templos incluem copiar o sutra (escrituras sagradas), sessões de meditação, orações matinais e outros rituais budistas. Koyasan é o local ideal para ter essas experiências. No local, é possível, também, reservar passeios privados com um monge como guia turístico. Para completar a experiência, vale experimentar a ryori shojin, a tradicional culinária vegetariana dos monges budistas.

Kansai histórico

Visitar as províncias da região é uma aula de história e cultura japonesa. Antes de iniciar a jornada zen  na capital espiritual do Japão, vale a pena conhecer seus castelos e museus para entrar no clima e vivenciar o Japão antigo.

Foto por iStock / travellinglight

Foto por iStock / travellinglight

O Castelo de Osaka, na cidade de Osaka, é, sem dúvida, um marco histórico. O local foi estratégico durante a época da fundação da era Edo, em 1603. Sua construção data de 1583.

Foto por iStock / Sean3810

Foto por iStock / Sean3810

Em Himeji, na província de Hyogo, está o Castelo de Himeji, também conhecido por Castelo da Garça Branca, um Tesouro Nacional Japonês e um Patrimônio Mundial da Unesco, com mais de 600 anos de história. Em ambos os locais funcionam museus que contam a história do período Edo e seus jardins são repletos de cerejeiras.

Foto por iStock / coward_lion

Foto por iStock / coward_lion

Já a cidade de Quioto é a antiga capital imperial e o berço da cultura tradicional japonesa. É mundialmente conhecida por seus templos, santuários, palácios e jardins. Um dos destaques é o luxuoso e intocado Castelo de Nijo, também construído em meados de 1600. O complexo é constituído por castelo, palácio e jardim paisagístico japonês.

Mais informações em: japan.travel/pt/destinations/kansai

Texto por: Agência com edição de Patrícia Chemin

Foto destaque por: iStock / Jui-Chi Chan

Comentários