logo

Telefone: (11) 3024-9500

Conheça Ancona, a capital de Marche, na Itália | Qual Viagem Logo

Foto por Istock/ ermess

Conheça Ancona, a capital de Marche, na Itália

15 de março de 2021

Ancona, capital da região das Marcas (Marche) na Itália, está situada no promontório do Monte Conero, de frente para o mar. Fundada pelos gregos, a cidade experimentou um desenvolvimento notável quando o imperador Adriano ampliou seu porto e durante muito tempo teve grande importância estratégica para a navegação através do Mar Adriático.

Dividida em duas partes – o centro histórico no Monte Guasco e a parte moderna no litoral – Ancona é uma cidade fascinante.

Entre seus principais monumentos está a Catedral de San Ciriaco, com sua fachada de mármore branco e rosa. A Catedral domina a cidade do alto do Morro de Guasco, onde a Acrópole da cidade foi construída (seus restos são aparentes até hoje).

Não deixe de ver o Museu Arqueológico Nacional das Marcas, que preserva relíquias da Idade do Ferro e das civilizações que povoaram a costa do Adriático; bem como a Igreja de Santa Maria della Piazza, do século XI, originalmente no estilo românico; O Arco de Trajano, construído no ano 115 por Apollodoro da Damasco; e a Mole Vanvitelliana, construção militar projetada por Luigi Vanvitelli no século XVIII. O Anfiteatro Romano (século I d.C.) é um esplêndido remanescente romano, com banhos termais em seu anexo; os banhos apresentam mosaicos de tirar o fôlego com várias epígrafes.

Foto por Istock/ ermess

Foto por Istock/ ermess

Grande parte da província de Ancona faz parte do Parque Regional do Conero, caracterizado por extensos bosques perenes e maquis mediterrâneos, por falésias que se projetam acima do mar, praias acessíveis através do mar e uma paisagem ainda intocada, mas rica em produtos locais da região – incluindo lavanda, mel, azeite e frutas cítricas.

Vale a pena visitar certos pontos do Parque, principalmente Portonovo, atração evocativa e muito frequentada, pelos seus bosques próximos às praias e seus monumentos antigos.

O QUE VER?

A história de Ancona e de sua província está fortemente ligada ao mar. Pensa-se que a cidade foi fundada no século 4 a.C. pelos gregos de Siracusa; eles aproveitaram a topologia em forma de cotovelo da área, adequada para uso como porto. Não é por acaso que o nome deriva da palavra ankon, que em grego significa ‘cotovelo’.

A área portuária tornou-se imediatamente um centro chave para o comércio com o Oriente. A cidade é composta por dois bairros: a cidade velha, situada no alto do Morro do Guasco, e a cidade moderna. Qualquer passeio deve começar do topo, na Catedral de San Ciriaco. Em direção ao porto fica o Arco do Triunfo de Trajano e as ruínas do Anfiteatro Romano.

A Mole Vanvitelliana é uma atração turística de primeira linha, junto com a vizinha Igreja de Sant’Agostino. Para os amantes da arte, na Piazza del Plebiscito a Igreja de San Domenico acolhe a Crucificação de Ticiano e a Anunciação de Guercino. Também dignos de nota são o Palazzo degli Anziani com sua fachada barroca, agora sede da universidade; e o Palazzo Ferretti, datado do século 16, agora abrigando o Museu Arqueológico de Marche. A

Pinacoteca Comunale “Francesco Podesti” e sua Galeria de Arte Moderna apresentam a Madona e o Menino com Santos de Ticiano, a Madona e o Menino de Carlo Crivelli, bem como obras de Lorenzo Lotto, Sebastiano del Piombo e Corrado Cagli.

Ao norte de Ancona, Chiaravalle é conhecida por sua abadia, localizada na grande praça do centro da cidade. Mais para o interior, está Jesi, fundada pelos Umbria, e de grande interesse histórico pela passagem de etruscos, gauleses e romanos ao longo do tempo. Movendo-se para o norte, Rocca Roveresca de Senigallia é um testemunho das origens romanas da cidade. Em uma localização panorâmica com vista para os Vales Cesano e Nevola está Corinaldo, local de nascimento de Santa Maria Goretti e um famoso destino de peregrinos; as duas belas aldeias de Ostra e Ostra Vetere ficam nas proximidades.

Foto por Istock/ Rimbalzino

Foto por Istock/ Rimbalzino

Perto da fronteira com a Região de Umbria e inserida nas montanhas está Fabriano, conhecida pela sua arte e artesanato em papel desde o século XIII. Voltando à costa temos Osimo, 18 quilômetros ao sul de Ancona, que fica nas colinas entre os Vales Aspio e Musone e possui ruínas do período clássico. Finalmente, logo depois de Castelfidardo, fica Loreto, o lar do maior santuário italiano dedicado à Virgem Maria; é um exemplo típico de centro urbano e está localizado em torno do Santuário de Loreto e sua Basílica.

Foto por Istock/ marcociannarel

Foto por Istock/ marcociannarel

A Santa Casa é um tesouro com obras de incrível beleza, assim como a Galeria e Museu de Pintura e o Palácio Apostólico.

O QUE FAZER?

A província de Ancona oferece muitas opções para atividades ao ar livre em sua bela paisagem, especialmente ciclismo e cavalgadas. Possui uma escola de montanhismo que agradará aos escaladores, enquanto os amantes dos esportes de inverno podem praticar esqui nórdico e alpino nos meses de inverno.

Também vale visitar as três Cavernas Frasassi para espeleologia (com ajuda de guias especializados).

Foto por Istock/ LucaLorenzelli

Foto por Istock/ LucaLorenzelli

As paisagens únicas e a presença de vários parques oferecem inúmeros percursos para os praticantes de trekking e mountain bike. A costa entre Senigallia e Ancona oferece muitas oportunidades para mergulho, vela, pesca e paraquedismo.

Entre os eventos tradicionais de Ancona, destacam-se os seguintes: a Festa del Mare (Festival do Mar), realizada no primeiro domingo de setembro e que consiste numa procissão de centenas de barcos pelo porto para homenagear os que perderam a vida no mar; a Feira do Arco e, poucos dias depois da Festa del Mare, o espetacular Conero Regatta.

Das muitas reconstituições históricas, vale a pena ver a Contesa del Pozzo della Polenta, realizada em Corinaldo; que comemora a vitória do povo da cidade em uma batalha decisiva em 1517, com o Palio: várias corridas entre os vários bairros da cidade.

O QUE COMER?

A Província de Ancona é um território rico em recursos naturais, ambientais, culturais, artísticos e culinários, todos integrados numa tapeçaria única. Estes se expressam não apenas nos valores de suas tradições e cultura, mas também na alta qualidade de seus produtos.

O sabor, a fragrância e a autenticidade de sua culinária desperta muito interesse por parte do turista curioso, do consumidor exigente e também dos mais instruídos. Muitos produtos são dignos de nota na gastronomia local, e os seus alimentos se beneficiam do clima ameno de Ancona, bem como dos antigos saberes dos agricultores.

A pesca é uma das atividades que floresce ao longo da costa, aproveitando ao máximo a generosidade do Adriático. Ancona é um porto importante para a frota pesqueira: o linguado pode ser encontrado em abundância, juntamente com o robalo, a dourada, o pregado e o tamboril para deliciosos grelhados e assados. Também não podem ser deixados de fora os peixes-paranza para sopas; peixe azul para grelhar; e amêijoas e mexilhões, mariscos e moluscos de todo tipo.

Ao longo dos séculos, as colinas têm sido o local ideal para vinhas específicas que criaram vinhos de prestígio, por exemplo: Verdicchio, Rosso Conero e o Lacrima di Morro d’Alba.
A produção de azeite extra virgem de alta qualidade é o resultado de vários fatores: a base varietal, o solo e o clima, as antigas técnicas agronômicas e, não menos importante, a técnica tradicional que é um misto de produção vanguardista e familiar que ainda mantêm seus métodos tradicionais de britagem.

A apicultura está amplamente difundida, sendo passada de geração em geração com habilidade e entusiasmo. O mel é doce, ligeiramente aromático e transparente. A produção de enchidos também é de suma importância, notadamente o Salame de Fabriano, que se encontra em processo de obtenção do prestigioso Rótulo P.D.O. (selo de proteção a alimentos tradicionais).

Na criação de um cardápio, geralmente é traçada uma divisória entre os pratos originários do mar e da terra, mas isso não exclui alguns pratos mistos que incluem frango e peixe com azeitonas, atum e anchovas.

A cultura culinária marinha da província é coroada por brodetti ou ensopados. Seguindo os antigos costumes, o ponto de partida são 13 variedades de moluscos, mariscos e peixes mediterrâneos, enquanto o ingrediente característico é o molho de tomate aromatizado com vinagre.

Foto por Associazione Provinciale Cuochi Ancona via Wikimedia

Foto por Associazione Provinciale Cuochi Ancona via Wikimedia

Outra especialidade de frutos do mar que não pode ficar de fora é o stoccafisso all’anconitana com batatas, azeitonas, anchovas, tomates e ervas aromáticas. É um prato tão valorizado que a receita é até codificada e protegida sob a tutela de um consórcio ou academia.

A gastronomia da terra apresenta a especialidade regional, o vincisgrassi, um prato de lasanha recheado com molho branco, ragù de salsicha de vaca com presunto, miúdos e cogumelos porcini, seguidos de outros pratos de massa encimados por molhos de carne embelezados com trufas brancas ou pretas da mais alta qualidade.

A carne branca é muito apreciada nos primeiros pratos: frango e coelho, assados ​​ou em guisados. Isso não diminui o papel central da costeleta de carne, a muito aromática porchetta assada, cordeiro grelhado, aves de caça ou os caracóis especiais em Arcevia e Fabriano. Numa terra de cereais, os produtos frescos do forno são importantes: pão e foccacia, incluindo a crescia, aromatizada com azeite, sal, alecrim e cebola.

Para sobremesa, donuts com sementes de anis são típicos, assim como uma miríade de sobremesas. Os aromas da doçaria regional incluem o do lombo de figo de longa data, uma espécie de folhado em forma de salame com figos secos e casca de fruta; e o bostrengo, um bolo tradicional com cereais e frutos secos. Por fim, existem os tradicionais licores de anis ou de café no território entre Ancona e Fabriano.

Mais informações: italia.it

Texto por: Agência com edição Eliria Buso

Foto destaque por Istock/ ermess

Comentários