logo

Telefone: (11) 3024-9500

Ubatuba, muito além de sua beleza natural | Qual Viagem Logo

ossobuco-na-cerveja-stout-reginaldo-pupo-travel-for-life

Ubatuba, muito além de sua beleza natural

30 de agosto de 2019

A badalada cidade do Litoral Norte de São Paulo não é feita só do turquesa e do esmeralda das águas do Atlântico que banham sua costa. É o lugar onde o Verão chega primeiro no Brasil e tem recantos incríveis para a gente explorar.

Toda a cidade tem seu charme. Ubatuba, no Litoral Norte de São Paulo, não é exceção. Possui praias que são consideradas como as mais bonitas do País, guarda tesouros desenhados pela natureza que ainda estão sendo cientificamente desvendados, tem agitada vida noturna mesmo nos dias de frio e é abraçada pela intacta vegetação e flora da Serra do Mar. Além da natureza, o município paulista abriga um inovador e alegre endereço gastronômico. É a Boulangerie e Rotisserie Croissant do Francês, comandada pelo Chef Patric Pierre Berjeaut.

 

Foto por Reginaldo Pupo/ Travel for Life

Foto por Reginaldo Pupo/ Travel for Life

Por sinal, a casa é um endereço obrigatório para quem é amante de bons pratos. O motivo? O novo point da criatividade gastronômica de Ubatuba inova tanto pelo cardápio, que sempre é inusitado, como também pela carinhosa acolhida. Para atender todo mundo, Patric conta com o auxílio do doce e meigo barman, o Guga, um paulistano que por questões financeiras foi parar em Ubatuba, e de seu subchefe, um jovem talentoso e extremamente competente no que faz.

Patric é francês, mas o clima de sua casa é bem italiano: vozes altas, risadas, famílias, amigos e namorados que se reúnem no interior do ambiente divertido e de bom humor contagiante criado pelo chef. No cardápio do dia desfilam sabores imperdíveis: peixes, frutos do mar, carnes, verduras, legumes e frutas. Sempre bem fresquinhos. “Preparo os pratos com tudo de melhor que a natureza e a estação do ano me oferecem e segundo o que manda o meu coração. Por isso, todos os dias faço um menu diferente”, explica.

O chef tem uma horta e prepara os seus próprios temperos. Seu restaurante fica a poucos passos do Mercado Municipal de Peixes, um lugar onde os aromas dos peixes e frutos do mar recém-pescados atraem gulosos e turistas do mundo todo. “Esse é um dos motivos pelos quais não trabalho com cardápio fixo. Posso escolher no mercado entre os melhores peixes, crustáceos e frutos do mar. O cliente também pode ir comigo até lá e escolher o que deseja comer. Juntos, compraremos o que será preparado para ele. É muito divertido”, assegura.

Todas quartas-feiras, Ubatuba abriga a Feira Agroecológica, com produtos orgânicos e alimentos cultivados e extraídos pelos indígenas locais. É na vizinha feira que Patric compra os ingredientes que vão perfumar e dar o sabor aos pratos que serve em seu restaurante. “Também costumo comprar dos produtores da cidade, cada um com a sua pequena produção. Como a minha comida é artesanal, procuro usar itens naturais, vindos da agricultura familiar”, prossegue o francês.

O resultado? Nem é possível descrever. Só experimentando mesmo. Sabe até aqueles pratos que a gente não gosta, torce o nariz e jura baixinho que nunca vai comer, tipo quiabo? Pois é, nas “milagrosas” mãos do francês, essas receitas se tornam divinas. “Cerca de 80% da matéria-prima que uso em minha cozinha é integrada por produtos agroecológicos, já que tenho a feira aí do lado”, orgulha-se Patric.

Empadinha ou croissant?

Impossível dizer qual dos dois carros-chefes do Croissant do Francês é o mais gostoso. O primeiro é feito com massa de farinha de amêndoas e recheada com camarão ou com pupunha. O segundo empresta o seu nome do restaurante e foi por ele que tudo começou. Ao lembrar dos primeiros tempos da casa e a mola propulsora que lhe deu origem, Patric conta a curiosa história do croissant, uma receita que tem mais de 320 anos.

Foto por Reginaldo Pupo/ Travel for Life

Foto por Reginaldo Pupo/ Travel for Life

Em 1683, o general turco Karah Mustapha Pasha e seu exército de 100 mil soldados invadiram Viena, atual Áustria, pelas galerias subterrâneas. Os padeiros, que eram os primeiros a acordar para acender os fornos, estranharam os barulhos vindos do subsolo e deram o alarme, evitando a invasão. O grão-vizir foi pego de surpresa e, posteriormente, acabou sendo executado.

Porém, grande parte dos militares de seu exército, incluindo muitas das suas 1.500 concubinas, permaneceram na cidade. Por terem evitado a invasão turca, os padeiros passaram a fazer requintados pães doces e salgados para o imperador romano-germânico Leopoldo (1640-1705), arquiduque da Áustria e rei da Croácia a partir de 1657. A receita predileta de Leopoldo era o croissant. Feito em formato de lua, o pão fazia alusão à vitória dos austríacos e poloneses sobre os otomanos.

História e curiosidades à parte, Patric, um artisan boulanger, ou simplesmente padeiro, conta que está em Ubatuba há quase três anos. Cozinha há mais de dez. A paixão pela culinária vem da vontade e do prazer de cozinhar. O chef estudou na França, onde fez cursos e se desenvolveu na arte da padaria. Por não desejar ficar muito tempo por lá, não fez a formação toda, apenas os módulos que lhe interessavam, economizando anos de testes e tentativas.

“Larguei tudo e fui estudar na França. Em Paris, peguei um metrô errado e fui parar em frente ao Le Condon Bleu. Entendi que era um sinal e entrei. Também fiz alguns cursos na Escola Alain Ducasse, na capital francesa, até criar a minha identidade gastronômica, uma mistura de ingredientes sofisticados com rústicos, com a menor intervenção possível de tempero nos alimentos”, resume.

A vontade de curtir intensamente cada segundo da vida e paixão de cozinhar com amor e alegria justificam tudo. O fato de abrir uma padaria bem ao lado do Mercado de Peixes, por exemplo, foi motivado pelo desejo de Patric querer ter uma casa com um ar de mercado ao estilo da italiana e turbilhenta cidade de Nápoles, com um clima bem mediterrâneo. “Isso me deixa muito feliz, porque estou ao lado dos peixeiros. Posso escolher os ingredientes frescos todos os dias”.

O menu da casa, contudo, inclui opções para todos os gostos. Assim, quem aprecia carnes, dependendo do dia, poderá experimentar o Ossobuco do Chef, com molho preparado com ervas colhidas na horta do francês e cerveja stout. É acompanhado por arroz e batatas cozidas. Serve muito bem duas pessoas e sai por R$ 84. Há, ainda, opções como o Sororoca com Ratatoulle e Mousseline de Champanhe, um saboroso peixe assado (R$ 136), o Fettuccine com Polvo (R$ 116) e o Camarão no Louro (R$ 112).

Foto por Reginaldo Pupo/ Travel for Life

Foto por Reginaldo Pupo/ Travel for Life

Para a entrada, o cardápio apresenta sugestões como Camarão Rei, bruschetta italiana, quiche de Portobelo e Roquefort, o cuscuz de sardinha no vapor de louro, a salada de polvo mediterrâneo e marisco lambe-lambe feito com açafrão espanhol e manteiga de costela (muito semelhante a paella espanhola).

As sobremesas são outra tentação. Entre as delícias estão as massas folhadas, as mexiriquinhas (um pão doce feito com a fruta), a mousse de chocolate e o creme brulee. Para acompanhar as refeições, há uma caprichada seleção de vinhos e champanhes, além da cerveja artesanal do chef, feita com cupuaçu e cambuci: a Sour do Francês. Para quem não bebe, tem uma imperdível limonada.

Os pães são produzidos na própria casa e assados no forno depois de mais de um dia de fermentação natural. Aliás, do forno também saem massas folhadas, pães doces recheados ou feitos com grãos de pistache, e as famosas empadinhas e croissants. O chá da tarde é servido às 17 horas só às sextas-feiras. Devido ao cativante e carismático atendimento do chef, o ritual britânico vem ganhando a cada dia mais adeptos. “O chá inglês é servido em um ambiente bem brasileiro. Mantém a tradição inglesa sem perder as características brasileiras”, descreve Patric.

Foto por Fabíola Musarra

Foto por Fabíola Musarra

O Croissant do Francês nasceu de modo despretensioso. Em algumas madrugadas, o cheiro dos pães quentinhos e elaborados com ingredientes de qualidade, muitos deles importados, incentivava os boêmios a baterem na porta do francês em busca de algo para comer. Não demorou muito para Patric criar um plantão, oferecendo nas madrugadas caldos e pratos que resgatavam os sabores da infância. Fez tanto sucesso que os frequentadores passaram a pedir suas receitas também no almoço, no jantar e no chá da tarde.

Atualmente, a Boulangerie e Rotisserie Croissant do Francês abre três dias por semana e para o chá das cinco que é servido às sextas-feiras. Sábados e domingos são os dias mais movimentados. Porém, antes de ir experimentar explosão de sabores proporcionados pela gastronomia do chef francês é bom telefonar. Pois, quem se arrisca a ir até lá sem fazer a reserva, corre o risco de não ser atendido. Poucas mesas espalham-se pelo interior do restaurante. E Patric, como já foi dito, gosta de atender as pessoas com alegria, alma e como velhos amigos. Salut!

SERVIÇO

A Boulangerie e Rotisserie Croissant do Francês fica na Praça Teodorico de Oliveira, 4, Vila dos Pescadores, ao lado do Mercado Municipal de Peixes de Ubatuba, tel. (12) 99637-9081. Facebook: facebook.com/cafedamanhanapraia. Geralmente, abre nas manhãs de quartas-feiras e às 2 horas da madrugada dos sábados. Aos domingos até às 15 horas

Texto por: Fabíola Musarra

Foto destaque por Reginaldo Pupo/ Travel for Life

Comentários