logo

Telefone: (11) 3024-9500

Texas: arte e diversão na terra dos caubóis | Qual Viagem Logo

Foto por Roberto Maia

Texas: arte e diversão na terra dos caubóis

15 de agosto de 2017

Apesar das facilidades do mundo moderno, o estilo caubói ainda sobrevive no Texas. Ativi­dade em extinção em muitos outros lugares, que utilizam drones e helicópteros para vigiar e mo­ver rebanhos, no tradicionalíssimo estado america­no eles se orgulham do que fazem. Ainda preferem o cavalo para enfrentar as áridas pradarias de terra vermelha e o laço para capturar e arrastar os bezer­ros. Bem como não dispensam as botas de couro com esporas reluzentes e os vistosos chapelões.

Foto por IStock/ harmantasdc

Foto por IStock/ harmantasdc

Colonizado pelos espanhóis, o estado sempre teve como característica o contraste entre as re­giões Norte (favorecida pelo clima e pelos recursos hídricos, o que beneficiou o desenvolvimento da agricultura) e Sul (árida e desértica). E foram essas condições adversas que levaram ao surgimento dos caubóis, homens destemidos que cuidavam do gado e defendiam com unhas, dentes e balas as terras contra os ataques indígenas. Por isso, eles se tornaram um dos maiores símbolos dessa parte dos Estados Unidos.

Quem já conhece as principais cidades dos EUA ficará surpreso quando visitar o Texas. É diferente e encantador. Sem dúvida uma viagem através de velhas tradições americanas em um destino que as preserva com carinho, mas sem abrir mão das facilidades atuais.

Uma das coisas que chama a atenção logo de cara é a quantidade e o tamanho dos veículos di­rigidos pelos texanos do interior do estado. Super populares, os big trucks, carros estilo picape, po­rém bem maiores e com rodas enormes, exigem estacionamentos com vagas mais largas que as normais. Para marcar ainda mais o estilo texano dos caubóis modernos, alguns ainda “instalam” enormes chifres de touro sobre o capô.

Sete regiões e múltiplos atrativos

Para nós brasileiros a viagem começa pela moderna Houston, que conta com um aeroporto internacional que recebe voos diretos e diários de São Paulo e do Rio de Janeiro. Em 2015, 69 mil brasileiros visitaram o estado que é dividido em sete regiões com paisa­gens bem diversas, onde é possível encontrar praias, montanhas, cânions, savanas, florestas e cidades en­cantadoras. Em todas elas os passeios a cavalo estão sempre presentes para a diversão dos turistas no me­lhor estilo do faroeste americano. São elas:

Foto por Istock/ Karen Janczak

Foto por Istock/ Karen Janczak

Big Bend – Oferece a oportunidade de passeios através de trilhas pelo parque nacional do Big Bend ou pelos cânions da região. Uma das atrações são as misteriosas luzes de Marfa, que atraem muitos turistas. Mistura paisagens incríveis com a cultura do Velho Oeste.

Costa do Golfo – Ideal para quem não abre mão de destinos com praias. Nesse quesito, o Texas nem sempre é um destino lembrado. Um erro por­que a região do Golfo oferece mais de 960 km de costa com praias de areia macia. Mas há, também, atrativos culturais e históricos. É lá que está a bela Houston, cidade grande e moderna repleta de tea­tros e museus.

Região das Colinas – Denominada Hill Coun-try, fica no centro do Texas, onde está a capital Aus­tin. Muitos texanos consideram a região a alma e o coração do estado. Além das atrações culturais tem paisagens maravilhosas e excepcionais vinícolas.

Piney Woods – Por mais incrível que pareça, o Te-xas tem grandes florestas de pinheiros, principalmen­te em Caddo Lake e na reserva natural de Big Thicket.

Pradarias e lagos – Apesar das grandes áreas urbanas, tem áreas com muitos lagos naturais. Vi­zinhas, a imponente Dallas oferece vida noturna animada enquanto Fort Worth mantém o espírito caubói do Velho Oeste. Cidades menores como Grapevine, Bastrop, Lockhart e Seguin mantém o estilo de vida pacato do interior.

Planícies do Sul do Texas – Uma das regiões mais dinâmicas do estado e rica em vida selvagem, história e atrações culturais. San Anto­nio, por exemplo, reúne opções de passeios para todos os gostos. Destino escolhido por famílias que procuram diversão em parques temáticos como o SeaWorld e o Six Flags Fiesta. A cultura mexicana predomina em cidades como Eagle Pass, Laredo, Roma, Rio Grande City e McAllen.

Planícies de Panhandle – Localizada bem ao Norte do estado, tem esse nome por causa da sua forma parecida com o cabo de uma frigideira. É nela que passa a mais famosa rodovia americana, a Rota 66. Bem servida por lojas, antiquários, restau­rantes e atrações como o Cadillac Ranch. Na cidade de Amarillo está o segundo maior cânion dos EUA, o Palo Duro. A região é também conhecida por seu céu claro repleto de estrelas brilhantes.

Foto por Istock/ zrfphoto

Foto por Istock/ zrfphoto

Nessa matéria focaremos apenas em Amarillo e Houston, duas cidades visitadas por Qual Viagem, mas que transmitem muito bem o que é o estilo texano, onde a história do Velho Oeste se incorpora à beleza perene da região.

Rota 66, cânions e cadillacs enterrados

Anualmente, Amarillo recebe a visita de 2 milhões de turistas vindos de todas as partes do mundo. E todos vão em busca dos atrativos naturais e para conhecerem o estilo do Velho Oeste, que marca o estado em uma combinação harmoniosa entre o histórico e o contemporâneo. Entre os principais atrativos da cidade estão o cânion Palo Duro, a mí­tica Rota 66 e o Cadillac Ranch.

Palo Duro – Segundo maior do país – atrás ape­nas do Grand Cânion – reserva muitas atividades no imenso parque estadual. São 193 km de extensão e paredões com mais de 300 metros de altura expon­do as multicoloridas camadas de sedimentos. Visi­tantes nacionais e internacionais procuram o lugar para caminhadas, observação de pássaros, passeios a cavalo e de bicicleta. Muitos acampam nas várias áreas disponíveis, seja em barracas, motorhomes ou em cabanas completamente equipadas e disponí­veis para locação.

Foto por Istock/ zrfphoto

Foto por Istock/ zrfphoto

Durante os meses de verão, o romance musical Texas! (texas-show.com) é apresentado há 52 anos no anfiteatro ao ar livre, que tem o belo desfiladeiro como cenário principal. Desenvolvido bem ao gosto americano, pode decepcionar quem espera um es­petáculo internacional típico como os da Broadway, em NY. Com três horas de duração – chega a ser cansativo em alguns momentos – e com uma cen­tena de atores em cena, o show de dança e música transporta o público para o Velho Oeste dos EUA e seus intrépidos colonos do século 19. É realizado de terça a domingo, às 20h, e o ingresso custa US$ 20. Para jantar antes paga-se outros US$ 10. Mas não espere muito. A comida é simples e servida em pratos de isopor com talheres plásticos.

Se quiser mesmo assistir ao espetáculo uma dica é chegar ao parque por volta das 16h, evitando o sol inclemente da região que passa tranquilamente dos 40 graus nessa época do ano. Passeie, visite a Canyon Gallery e termine o dia no anfiteatro.

Rota 66 – Como diz o refrão de uma música con­sagrada na voz de Nat King Cole: Get your kicks on Route sixty-six (Dê a partida na Rota 66). A canção exalta a mais famosa das estradas dos EUA, a histó­rica Rota 66 (amarillo66.com). Ela representa o início da infraestrutura rodoviária do país e a transição dos caminhos de terra para as rodovias asfaltadas. Conta a história da recente mobilidade da nação e da demo­cratização das viagens. Tem 3.939 km ligando Chica­go a Santa Mônica e atravessa oito estados. Entre eles o Texas com 286 km, indo de Texoba à cidade fantas­ma de Glenrio. Nos quase 48 quilômetros situados em Amarillo há 25 lojas de antiguidades e 15 restauran­tes sempre repletos de motociclistas e suas máquinas maravilhosas. Uma delas, a Lile Art Gallery, pertence a Bob “Crocodilo” Lile (crocodilelile.com), um apaixona­do e especialista na rota. “Amo o Texas porque tem desertos, montanhas, savanas e até praias. E a Rota 66 me fascina por causa da sensação de aventura, liber­dade, do vento nos cabelos e o sol batendo no rosto”, explica Lile.

Cadillac Ranch – Próximo da Rota 66 está um dos locais mais famosos e visitados do Texas. O Ran­cho dos Cadillacs nasceu de uma ideia que tinha tudo para dar errado. Em 1973, Stanley Marsh, um milionário excêntrico proprietário de uma grande área rural na região, contratou o The Ant Farm, um grupo de artistas de São Francisco para criar uma obra de arte única – enterrar dez cadillacs (modelos de 1948 a 1963).

Foto por Istock/ StevenStarr73

Foto por Istock/ StevenStarr73

Inicialmente, os automóveis enterrados de forma inclinada e apenas com a parte traseira para fora tinham a sua cor original. Porém, com o passar do tempo, alguns visitantes começaram a grafitar os carros. Depois de algum tempo a prática pas­sou a ser seguida por muitos outros e a grafitagem acabou por se tornar permanente. E o lugar virou atração turística. Atualmente, a qualquer hora do dia, cerca de 50 a 100 pessoas se divertem pi­chando os carros enterrados. É tanta gente que de tempos em tempos grossas camadas de tinta são retiradas dos veículos.

Cavalos, museus, carros e churrasco

Mas Amarillo conta com muitas outras atrações. Tem um jardim botânico, um zoológico, fazendas, um parque de diversões, museus e ótimos restaurantes.

Foto por Roberto Maia

Foto por Roberto Maia

Um dos lugares mais procurados é o Cowgirls & Cowboys in The West, no Rancho Los Cedros (co­wgirlsandcowboysinthewest.com). Comandado por mulheres, disponibiliza passeios em cavalos que le­vam até a borda do cânion Palo Duro. A dona, Phyllis Nickum, recebe os visitantes com muita atenção e simpatia, explicando procedimentos com os animais antes do início da jornada. Durante o passeio ela con­ta muitas histórias sobre os caubóis da região. Uma hora custa US$ 69 e duas sai por US$ 89. Ao final foi servido um brunch à sombra do seu celeiro com comidas e músicas típicas ao vivo. Porém, a refeição não está incluída no programa e somente é servida em eventos privados e reservados previamente.

A cidade de 200 mil habitantes é muito tranquila e repleta de atividades culturais. Para se ter uma ideia da importância das artes no destino, basta sa­ber que o maior museu histórico do Texas, o Pa­nhandle-Plains Historical (panhandleplains.org) foi construído em 1933, no campus da universidade e tem suas portas adornadas com famosas marcas de fazendas locais. Seu acervo inclui dois milhões de artefatos em 22 galerias, que têm o Texas como pano de fundo e mostra desde a pré-história até os dias atuais. Outros museus que valem ser visita­dos são o Amarillo Museum of Art (amarilloart.org) que tem coleção permanente com obras mo­dernistas dos EUA, pinturas europeias dos séculos 17, 18 e 19, tecidos do Oriente Médio, escultura Java do século 9, fotografia e arte asiática; o Ame­rican Quarter Horse Hall of Fame and Museum (aqha.com/museum), que exibe as estrelas do mun­do dos cavalos quarto de milha americanos que se tornaram lendas; o RV Museum (rvmuseum.net) com exposição de trailers antigos ou vintage, motorhomes e motocicletas; o Bill’s Backyard Classics (bbcamatx.com) com mais de 170 car­ros clássico impecáveis; e o Kwahadi Museum of the American Indian (kwahadi.com) que mostra como eram os costumes e as tradições dos povos indígenas e das planícies.

Foto por ATTRACTIONS/EVENTS / KENNY BRAUN

Foto por ATTRACTIONS/EVENTS / KENNY BRAUN

Outra saborosa tradição texana é o churrasco. No Texas ele é preparado com costelas ou peito bovino e sempre servido com acompanhamentos típicos e em porções generosas ao estilo caseiro. Um dos lugares mais procurados do Estado é o famoso restaurante da família Lee, o Big Texan Steak Ranch, que oferece jantar grátis para quem conseguir comer cerca de dois quilos de churras­co com acompanhamentos em uma hora. Se não conseguir paga US$ 72. A casa foi inaugurada em 1960 como uma parada na Rota 66.

Houston – Foguetes, esportes e compras

Quarta maior cidade dos EUA, Houston surpreen­de pela beleza e por ser extremamente cosmopoli­ta. Para quem gosta de artes e museus é um prato cheio. Mas também atende muito bem os visitantes com outras expectativas. Tem muitas áreas verdes (mais de 480 km de trilhas), esportes, compras, gas­tronomia e vida noturna de classe mundial. É gran­de, mas não parece, apesar dos seus 2,3 milhões de habitantes. É um destino que consegue o equilíbrio perfeito entre negócios e lazer.

Os negócios predominantes são relacionados ao petróleo e ao setor médico. O maior complexo mé­dico do mundo, o Texas Medical Center (TMC), re­cebe mais de 7 milhões de visitas por ano. São 21 renomados hospitais, instituições acadêmicas e de pesquisa, programas de enfermagem, escolas de medicina e universidades.

Muita gente também escolhe a cidade como destino de compras, um dos melhores dos EUA. São diversos shoppings e outlets à disposão, porém, o maior espa­ço é o The Galleria (simon.com/mall/the-galleria) com cerca de 400 lojas e até uma grande pista de patinação. Neiman Marcus, Saks Fifth Avenue, Nordstrom, Ma­cy’s e grifes internacionais como Louis Vuitton, Mon­tblanc, Chanel, Gucci e Versace estão por lá. Um apli­cativo para smartphones e tablets dá as coordenadas das lojas, restaurantes e opções de entretenimento.

Mas é a NASA que é lembrada quando pensamos em Houston. E muito por causa do filme Apollo 13, que mostra as dificuldades enfrentadas pelo astro­nauta Jim Lovell (personagem interpretado por Tom Hanks). Foi ele quem disse a famosa frase “Hous­ton, we’ve had a problem”, sobre a explosão de um tanque de oxigênio na capsula espacial.

Uma das principais atrações da cidade, o Hous­ton Space Center é uma experiência imperdível para adultos e crianças. O centro de comando das missões espaciais da NASA reúne foguetes e ônibus espaciais. Logo na entrada, na Independence Plaza, a primeira surpresa. Uma réplica do ônibus espacial In­dependence sobre um Boeing 747 que era utilizado para transportar a nave até o local de lançamento. O tamanho impressiona e é inevitável pensar como é possível um conjunto tão pesado levantar voo e voar. Os visitantes podem entrar em ambas aeronaves.

Foto por Istock/ typhoonski

Foto por Istock/ typhoonski

As antigas salas de controle estão lá, intactas. In­crível imaginar que com tão poucos recursos – em comparação aos dias atuais – podiam monitorar as­tronautas e foguetes em missões espaciais. O Space Center conta também com exposições interativas, uma réplica da estação espacial Skylab com bone­cos representando astronautas em situações coti­dianas, sala de cinema 3D, entre outros atrativos. Não perca a oportunidade de tocar em pedaços de rochas trazidas da Lua e de Marte.

Para conhecer os bastidores do complexo é ne­cessário embarcar em um trenzinho, o Tram Tour, que circula por toda a área da NASA. São três as paradas: a antiga sala de controle, o centro de trei­namento de astronautas e o Rocket Park, um imen­so galpão onde está o foguete Saturn V usado nas missões Apollo entre 1967 e 1972.

Fãs de esportes vão se esbaldar. Quatro moder­nos estádios (dois com tetos retráteis) recebem jo­gos profissionais durante todo o ano. O Houston Dynamo (futebol) joga no BBVA Compass Stadium; o Houston Astros (beisebol) no Minute Maid Park; o Houston Rockets (basquete) na Toyota Center Are­na; e o Houston Texans (futebol americano) no NRG Stadium. Se tiver a oportunidade de assistir a um jogo não vai se arrepender. Muito mais que ver os dois times em campo vale pelo evento em si. As modernas arenas dispõem de muitos restaurantes, bares e food trucks com todo tipo de comida.

Com mais de 10 mil restaurantes representando a culinária de 35 países, Houston tem uma das cenas gastronômicas mais excitantes dos EUA. E tem de tudo e para todos os gostos, de refeições requinta­das até o tradicional churrasco texano.

A cidade abriga importantes museus e galerias de arte e, por isso, uma enorme comunidade de artistas. Em uma única área, o Distrito dos Museus, estão 19 museus, além do Houston Zoo, que abriga mais de 6 mil animais exóticos de 800 espécies. Todos os museus a curta distância um do outro. Juntos somam mais de 500 mil m2 de espaço expositivo e são visita­dos por mais de 7 milhões de pessoas anualmente.

Foto por Roberto Maia

Foto por Roberto Maia

Entre os mais concorridos estão o de Belas Ar­tes, fundado em 1900, com uma coleção de 65 mil obras de arte da antiguidade até o presente; o de Ciências Naturais, que tem exposições permanen­tes, um Paleontology Hall com centenas de fósseis, um teatro IMAX e um planetário; o do Holocausto; o das Crianças, fundado em 1980 e instalado em um edifício com inúmeras exposições práticas ino­vadoras para toda a família; e o The Health, que ensina de maneira simples e divertida sobre saúde, bem-estar e a anatomia humana.

Fora da área reservadas aos museus, um outro, o Lone Star Flight Museum mudou recentemen­te de Galveston para o aeroporto de Ellington, em Houston. Com investimento de US$ 38 milhões, o novo espaço tem 12,8 mil m² com dois grandes hangares (15 e 20 aviões), salas de aula e de reu­nião, além de um auditório de 250 lugares. A mu­dança foi provocada pelo estrago causado pelo fu­racão Ike, que em setembro de 2008 atingiu a ilha.

A cidade também dispõe de um Distrito dos Teatros com 17 quadras, onde estão, entre outros, o Houston Grand Opera, o Alley Theatre, o Hous­ton Symphony e o Houston Ballet. Todos eles apre­sentam espetáculos premiados e reconhecidos com Grammy, Tony e Emmy.

Uma outra interessante opção de passeio, o Downtown Aquarium abriga mais de 200 espé­cies de vida marinha.

Como chegar

O Aeroporto Internacional George Bush (IAH) de Houston conta com ligações diretas a partir de São Paulo e do Rio de Janeiro através da United Airlines (united.com).

Onde ficar

São muitas e variadas as opções de hos­pedagem no Texas. Há, hotéis de todos os níveis, pousadas e bed and breakfast. Há, também, opções exóticas como o Cypress Valley Canopy Tours (cypress­valleycanopytours.com), em Spicewood, que oferece a possibilidade de hospeda­gem em casas na árvore; o Dos Brisas Inn (dosbrisas.com), que tem clima de fazenda com todo conforto e requinte de um hotel 5 estrelas; o El Cosmico (elcos­mico.com), no meio do deserto, em Mar­fa, permite a observação de estrelas com hospedagens em trailers e cabanas; o The Antlers Inn (theantlers.com), insta­lado em vagões restaurados de um trem do ano de 1901; e o Olivia Mansion (oli­viamansion.com), uma mansão restaura­da com seis charmosas suítes decoradas c om utensílios e lustres do século 19.

Qual Viagem utilizou e aprovou os se­guintes hotéis durante a viagem ao Texas:

The St. Regis Houston – 1919 Briar Oaks Lane – Houston – stregishoustonhotel.com

Courtyard by Marriott Downtown – 724 S. Polk St. – Amarillo – marriott.com/ hotels/courtyard-amarillo-downtown

Onde comer

AMARILLO

Golden Light Café – 2906 SW

6th Ave – goldenlightcafe.com

Café 806 – 2812 SW 6th Ave

Big Texan Steak Ranch – 7701

Interstate 40 Access Rd – bigtexan.com

Crush – 701 S. Polk – crushdeli.com

Palace Coffee – 817 S Polk St.

palacecoffee.co

Imperial Taproom – 410 15th

St. #100, Canyon – imperialtaproom.com

Youngblood’s Café – 620 SW 16th St. – youngbloodscafe.com

HOUSTON

Rudy – 21361 Gulf Freeway, Webster – rudysbbq.com

Dunlavy – 3501 Allen Parkway –

thedunlavy.com

Lowbrow – 1601 W. Main St. –

lowbrowhouston.com

Xochi by Ruben Ortega – restaurante dentro do Marriott Marquis Hotel –

xochihouston.com

Kemah Boardwalk – 215 Kipp Ave, Ke­mah – Nove restaurantes à beira-mar, além de lojas, entretenimento ao vivo e festivais aos finais de semana –

kemahboardwalk.com

Texto por: Roberto Maia. O jornalista Roberto Maia viajou a convite do Turismo do Texas e com a proteção do seguro-viagem Global
Travel Assistance – GTA

Foto destaque por Roberto Maia.

Comentários