logo

Telefone: (11) 3024-9500

Polinésia Francesa: destino de férias em família | Qual Viagem Logo

img_2284

Polinésia Francesa: destino de férias em família

14 de março de 2017

Conhecido como um destino romântico de Lua de Mel, a Polinésia Francesa entrou na rota agora de famílias que buscam um lugar diferente para viajar. Com um mar estonteante, atividades como stand up paddle, mergulho e flutuação, e trilhas para cachoeiras, algumas ilhas intocadas e menos exploradas como Huahine, Raitea e Tau Tau, em Tahaa são boas pedidas para passar férias com as crianças. E para quem quiser embarcar nessa com os filhos, uma dica é aproveitar as promoções de bilhetes aéreos como o family special da Tahiti Nui, que dá gratuidade para crianças e adolescente de sté 15 anos acompanhados dos pais.

Polinésia Francesa: explorando as ilhas

Nossa viagem começa em Papeete, onde chegam os voos internacionais, e de onde saem os voos domésticos para as outras ilhas da Polinésia Francesa. Para quem gosta de surfar, aqui fica uma das ondas mais famosas e temidas do planeta: Teahupoo. A bancada não é para qualquer um, mas vale dirigir até lá com a criançada e pegar um taxi boat para ver, nem que de longe e de binóculo, os surfistas profissionais se aventurando nesse mar. Teahupoo fica a apenas  a uma hora de carro do aeroporto.

Huahine: uma ilha intocada e selvagem na Polinésia Francesa

Huahine: uma ilha intocada e selvagem na Polinésia Francesa/foto: Juju na Trip

Polinésia Francesa: mar azul, coqueiros e montanhas cobertas por florestas de Huahine

Mar azul, coqueiros e montanhas cobertas por florestas de Huahine / foto: Juju na Trip

varanda-lapita

Varanda do nosso bangalô no Maitai Lapita: vista para a floresta / foto: Juju na Trip

De Papeete, seguimos para Huahine. Para quem gosta de descobrir novos destinos,  essa é uma ilha menos explorada da Polinésia Francesa, imaculadamente tropical, com águas cristalinas, coqueiros a perder de vista e montanhas com vegetação densa.  Um lugar para se visitar com calma, e comungar com a natureza.E há apenas 3 hoteis por aqui, nenhum deles de grande porte. O Maitai Lapita  onde nos hospedamos, é um deles: localizado entre a floresta e o mar, com bangalôs integrados à natureza, é uma ótima opção.

A ilha é também um museu a céu aberto, com mais de 200 templos, alguns erguidos a milhares de anos, como o Maeva, usado pelos ancestrais para cerimônias, sacrifícios e encontros reais.  Mas para ver o “monte olimpo” de Huahine, suba até o topo da montanha Matairea, onde os ancestrais acreditavam estar mais perto dos deuses.

E que tal explorar a ilha com as crianças fazendo passeio de 4X4 + barco. O tour, que pode ser feito com o  Poe Island Tour, e começa com a visita a uma fazenda flutuante de pérolas e segue para um motu isolado e sua lagoa (como eles chamam as piscinas naturais que se formam entre corais), onde um picnic é armado sob acordes de ukulelê, com aulas de dança.

Tahaa: paisagem cinematográfica

Tahaa: paisagem cinematográfica / foto: Juju na Trip

Tahaa, na Polinésia Francesa

Stand Up Paddle em Tahaa, na Polinésia Francesa: atividade para famílias / foto: Juju na Trip

De Huahine, pegamos outro voo, de 15 minutos, para Raiatea. A ilha tem uma  geografia poderosa: é formada por uma rocha gigantesca que emerge do mar com toda sua potência, coberta de densas florestas. E no entorno dessa ilha-mãe, estão as as pequenas ilhotas, chamadas Motus, cheias de coqueiros. A maior parte desses motus ainda é virgem e sem construção, apenas na formosa Tau Tau tem um resort que nada deixa a dever aos de Bora Bora: o Le Tahaa, um relais chateau com bangalôs sobre o mar. E o mar é esse da foto, sem filtro

Nosso bangalô, no Le Tahaa Resort em Spa: hotel oferece atividades para fazer com crianças

Nosso bangalô, no Le Tahaa Resort em Spa: hotel oferece atividades para fazer com crianças / foto: Juju na Trip

Um programa super divertido por aqui é a flutuação nas corredeiras que se forma entre os motus, observando os jardins de corais ao fundo. Pra quem gosta de mergulho autônomo, há uma operadora dentro do hotel. E o roteiro é extenso: há mais de 20 spots em Raiatea e Tahaa, incluindo um naufrágio. Crianças a partir de 11 anos já podem fazer o batismo, e com sorte, na companhia de raias, tartarugas e pequenos tubarões. É a a garantia de uma experiência inesquecível.

Observar a vida marinha é outra atividade que as crianças vão adorar na Polinésia Francesa

Observar a vida marinha é outra atividade que as crianças vão adorar na Polinésia Francesa / foto: Juju na Trip

 

Siga!

Juju na Trip

Gabriela Temer é jornalista, Rico Sombra é fotógrafo, e juntos eles viajam pelo mundo com a filha Juju em busca de boas histórias e muita aventura. Uma família vivendo o melhor da vida! Juntos, já rodaram por mais de 40 países, e querem conhecer muitos outros.
instagram @jujunatripblog
youtube.com/jujunatrip
facebook.com/jujunatrip
Juju na Trip
Siga!

Últimos posts por Juju na Trip (exibir todos)

Comentários