logo

Telefone: (11) 3024-9500

Panamá, muito mais que um canal | Qual Viagem Logo

Foto por Istock/ marshalgonz

Panamá, muito mais que um canal

14 de outubro de 2016

O Panamá é um pequeno país que ocupa posição estratégica entre as américas do Sul e do Norte, além de ter o Caribe como vizinho. Está situado em uma porção de terra estreita cercada por água pelos dois lados chamada de istmo. Há 3 milhões de anos, esse istmo emergiu do mar e mudou a geografia do mundo para sempre. Ele dividiu um oceano e uniu dois continentes. Essa estreita ponte de terra na América Central é mundialmente reconhecida pelo canal que liga os oceanos Pacífico e Atlântico e por onde passa cerca de 35% do comércio entre Ásia e as Américas.

Foto por ISTOCK.COM / DANI3315

Foto por ISTOCK.COM / DANI3315

Anualmente, mais de um milhão de pessoas visitam essa impressionante obra da engenharia inaugurada há 102 anos com três diferentes conjuntos de eclusas: Miraflores, Gatún Lake e Pedro Miguel. Nelas, o nível de água desce e sobe para permitir a passagem das embarcações. Mais de 14 mil embarcações passam por ele a cada ano. Ele tem 80 quilômetros de extensão e funciona 24 horas por dia.

Em 1914, o navio a vapor Ancon fez história ao se tornar o primeiro a transpor a nova rota marítima, que reduziu muito o tempo de viagem para se cruzar os dois oceanos. Com ele os navios passaram a evitar a longa e perigosa rota através do cabo Horn, no extremo sul da América do Sul, através da passagem de Drake ou do Estreito de Magalhães.

Muita gente pensa que as eclusas existem porque os oceanos estão em níveis diferentes. Não é o caso. O que ocorre é que entre o Pacífico e o Atlântico existe um lago acima do nível do mar. A saída para vencer a topografia do lugar foi construir as eclusas que funcionam como elevadores para os navios.

O canal começou a ser construído pelos franceses, em 1879, que após muitos problemas desistiram da obra. O Panamá pediu ajuda dos Estados Unidos para concluir e durante décadas o canal ficou sob administração conjunta com os norte-americanos. O governo panamenho assumiu o controle apenas em 1999, depois de diversos tratados diplomáticos. E passou a lucrar com isso também. Atualmente, dependendo do tamanho do navio, cada embarcação paga até US$ 1 milhão para fazer a travessia. Acha muito? Saiba que se tivesse que dar a volta no continente gastaria até dez vezes mais, além do tempo economizado.

Foto por Marcos Telore

Foto por Marcos Telore

Mas, para receber os modernos e imensos navios da atualidade o famoso canal ficou ainda maior. No dia 26 de junho, a gigantesca expansão realizada no Canal do Panamá foi inaugurada com muita festa. O navio porta-contêineres Cosco Shipping foi o primeiro a atravessar o novo Canal do Panamá vindo do Atlântico (Agua Clara) e seguindo para o Pacífico (Cocolí).

Localizada na província de Cólon, a obra de ampliação levou nove anos para ser concluída e custou US$ 5,4 bilhões. Agora, uma nova via recebe navios maiores e mais largos, capazes de transportar 14 mil contêineres. Mais de 340 milhões de toneladas de produtos passaram pelo canal no ano passado, cerca de 6% do comércio global.

A eclusa de Miraflores, a mais próxima da Cidade do Panamá, é a mais procurada pelos turistas. Toda a operação da travessia dos navios pode ser observada de um mirante anexo a um restaurante. A história e o funcionamento do canal é mostrada em um museu no local. Não deixe de assistir ao um filme de apenas alguns minutos que conta a história da construção do Canal do Panamá.

Mas se engana quem pensa que a importância do Panamá se resume ao importante e imponente canal. O país possui paisagens naturais impressionantes e rica cultura, além de uma infinidade de atividades turísticas interessantes. O turismo ecológico é destaque por causa dos vários parques nacionais espalhados pelo país. Entre eles o Valle de Antón, o vulcão Barú e La Yeguada.

Em termos culturais o Panamá apresenta uma diversidade que o torna singular. A localização estratégica na encruzilhada das américas faz com que receba visitantes de todas as partes do mundo, o que originou a mistura de culturas. Para se ter uma ideia do que isso significa, basta saber que uma das maiores festas populares do país é o Carnaval, que lá como no Brasil é comemorado por muita gente e durante quatro dias.

O folclore panamenho destaca a pollera, saias e vestidos que se caracterizam pelos seus refinados enfeites. Elas são fabricadas com diversos materiais – algodão, lã e outros – e são enfeitadas por coloridos bordados e rendas de desenhos florais. Suas origens acredita-se sejam os vestidos espanhóis dos séculos 16 e 17.

CIDADE DO PANAMÁ – CONTRASTES E MULTICULTURAL 

A capital do Panamá impressiona à primeira vista pela imponência dos seus altos e modernos edifícios. A impressão é que a Cidade do Panamá é maior do que realmente é. Com apenas cerca de 1,3 milhão de habitantes, tem muitos atrativos além do famoso canal. Há muitas opções de entretenimento, vida noturna, cassinos e farta oferta gastronômica, além de ser o melhor destino para compras na região. Nos últimos anos a cidade tem atraído as principais grifes internacionais do planeta. E os visitantes ainda contam com a vantagem de terem as compras livres de impostos – tax-free.

Apesar de ser uma cidade moderna e dinâmica, resquícios do passado ainda estão preservados e a curta distância dos arranha-céus. Inicie o seu roteiro onde tudo começou, a Panamá Viejo. A cidade começou ali em 1519 e permaneceu até 1671. Hoje é um grande sítio arqueológico e Patrimônio da Humanidade, que preserva as antigas construções. No local também está o Museu Patronato Panamá Viejo, que conta a história da antiga Cidade do Panamá através de fotos, maquetes, vídeos e objetos.

Foto por Istock/ DIEGO_CERVO

Foto por Istock/ DIEGO_CERVO

Depois, a cidade migrou para outro local, onde está o Centro Histórico, o Casco Viejo – também conhecido como Casco Antiguo ou San Felipe. Foi a primeira cidade espanhola no Pacífico. Também declarado Patrimônio da Humanidade pela Unesco, a região vem sendo revitalizado e é point de turistas e jovens por causa da badalada vida noturna e dos muitos bares, restaurantes e hotéis.

O local também guarda edifícios históricos, igrejas, conventos, museus, praças e charmosas ruas de pedras. Lá está também o palácio presidencial, vizinho de preservados casarões enfeitados por varandas. Reserve ao menos meio dia para passear por essa região e parar para apreciar o antigo convento de Santo Domingo, a Catedral, o Parque Bolivar, o Teatro Nacional, a Plaza de Francia e a a Igreja de San José – construída entre 1671 e 1677 tem um altar em estilo barroco com pinturas em ouro. Se quiser conhecer a história do Canal do Panamá aproveite para uma visita ao Museu do Canal Interoceânico.

Casco Viejo está unido à chamada Cinta Cos teira, um calçadão agradável onde muitas pessoas costumam caminhar, passear de bicicleta e se exercitar diariamente enquanto aproveitam a vista do mar. Ela revitalizou a famosa Avenida Balboa, ampliando as possibilidades dessa região da orla marítima da cidade.

E por falar em orla, praias não faltam no Panamá. São mais de 1,8 mil ilhas para o deleite que quem curte sol e mar. O arquipélago de Bocas del Toro, distante cerca de 45 minutos da capital, é um paraíso caribenho com praias isoladas e pequenos vilarejos.

Outro cenário deslumbrante é San Blas, na região indígena Kuna Yala. Rodeada pelo mar do Caribe, possui águas transparentes e tranquilas. A partir da Cidade do Panamá são 2h30 de estrada e mais alguns minutos de barco. Somente a beleza do cenário ao longo do percurso faz a viagem valer à pena.

Foto por ISTITUTO PANAMENO DE TURISMO

Foto por ISTITUTO PANAMENO DE TURISMO

Um dos destaques da Cidade do Panamá é o moderno Biomuseu, localizado no coração da metrópole. O espaço nasceu da ideia do renomado arquiteto Frank Gehry, o mesmo que projetou o Museu Guggenheim, em Bilbao (Espanha). O design e o colorido chamam a atenção na entrada da Calzada de Amador. Ele recria o acontecimento geológico que fez surgir o istmo do Panamá de maneira didática e dinâmica. Há projeções no teto e no chão, peças que podem ser tocadas e muitos outros elementos que ajudam a ressaltar a importância do país para a diversidade natural do planeta.

CERRO ANCÓN E VIDA NOTURNA 

O apelido “Dubai das Américas” surgiu por causa dos edifícios modernos e altos que enfeitam o horizonte da cidade. A maioria deles está no bairro de Punta Pacífica e forma construídos em uma área de aterro. Entre esses prédios modernos e vistosos está a Trump Tower, que leva o nome do megaempresário e candidato à presidência dos EUA.

Outra construção que se destaca no cenário é a Ponte de Las Américas, que liga os dois lados do Canal do Panamá, no lado do Oceano Pacífico. Im ponente, possui grandes estruturas metálicas e um arco bem alto. Foi inaugurada em 1962, período em que os EUA ainda estavam presentes dentro do país no controle do canal. Ela tem um mirante que é ponto de parada inevitável entre os turistas.

Quem quiser apreciar a melhor vista da cidade terá que subir até o alto do Cerro Ancón, o morro mais alto da região. Com 200 metros de altura, o local está cercado por matas. Lá do alto é possível ver inclusive um pedaço do Canal do Panamá e o skiline com os modernos edifícios da capital.

Foto por Istock/ lanabyko

Foto por Istock/ lanabyko

Outra interessante opção de passeio pelos arredores da Cidade do Panamá é o Ferrocarril Interoceanico. O luxuoso trem do início do século 20 oferece a oportunidade para os passageiros desfrutarem de uma viagem em vagões panorâmicos, através da exuberante selva tropical do país às margens do Canal do Panamá. A viagem de uma hora pode ser combinada com visitas a monumentos históricos interessantes, como o Fort San Lorenzo, Colón, Portobelo, Gatun Locks (conjunto de eclusas e entrada do Canal do Panamá a partir do lado caribenho) ou desfrutar de um delicioso almoço estilo Caribe em um dos restaurantes na área.

A Cidade do Panamá também é muito conhecida pela sua agitada e variada vida noturna. Há muitas opções interessantes e para todos os gostos – desde jantares em restaurantes tranquilos até badaladas boates e cassinos. Para quem adora baladas há duas regiões onde as coisas acontecem: Casco Antiguo e Calle Uruguay. Em Casco Antiguo estão opções como o Tântalo, Relic Bar ou a Cervejaria La Rana Dorada. Já na Calle Uruguay há bares, boates e karaokê. Entre eles os concorridos Alta Bar e o S6is. Outro bairro não tão movimentado, mas com bons atrativos à noite, é El Cangrejo, onde estão os cassinos Crown e o badalado Vêneto.

Como chegar

A Copa Airlines oferece 66 voos semanais diretos para a Cidade do Panamá, a partir de sete capitais brasileiras – Brasília, Belo Horizonte, São Paulo, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Recife e Manaus. As rotas são operadas com modernas aeronaves Boeing 737-800 Next Generation ou 737-700 Next Generation, respectivamente com capacidade para 155 e 124 assentos. A rota desde São Paulo tem duração de sete horas. A empresa faz parte da Star Alliance, oferecendo a seus clientes a possibilidade de chegar a 1.330 aeroportos em 192 países através de mais de 18,5 mil voos diários.

Onde ficar

O país oferece uma grande variedade de meios de hospedagens, desde os mais econômicos até elegantes hotéis-butique. Um dos melhores e mais modernos hotéis da Cidade do Panamá é o Sortis Hotel, Spa & Casino – Autograph Collection. O empreendimento combina uma impressionante arquitetura moderna com sofisticação e comodidades que garantem a experiência na hospedagem. Seus mais de 390 apartamentos e suítes dispõe de cama de luxo, closet, sofá-cama, amenidades, máquinas de café Nespresso, TV LED full HD e o wi-fi de alta velocidade.

O hotel possui dez opções de gastronomia que vão do charmoso restaurante e bar Manabi ao movimentado Score Sports Bar. Um luxuoso spa com 3,5 mil metros quadra dos oferece um menu completo de mimos exclusivos em tratamentos faciais, corporais holísticos, salão de cabelereiro, banhos azulejados luminosamente, sauna/banho turco, duchas tropicais, piscina de vitalidade e sala de relaxamento. É lá também que está localizado o maior e mais moderno cassino da cidade, além de um shopping center privado com mais de 30 lojas locais e internacionais.

Compras 

Os visitantes podem fazer compras livres de impostos – tax-free – nas compras em lojas e shoppings. Há farta oferta de produtos eletrônicos, perfumes, roupas de grife, acessórios, relógios e bebidas. Confira as principais opções na Cidade do Panamá:

Albrook Mall – Não é um shopping novo e está um pouco afastado da área hoteleira da cidade. Porém, apresenta grande variedade de lojas e até supermercado.

Metromall – Além de grande e moderno esse shopping costuma ter bons preços. Localizado próximo do Aeroporto de Tocumen é ideal para quem tem algumas horas entre voos de conexão e quer aproveitar para ir às compras.

Multiplaza Pacific Mall – As principais grifes mundiais estão presentes nesse shopping moderno e bem grande. Mas, atenção, os preços são mais altos que em outros centros comerciais da cidade. Vale à pena conhecer.

Centro de Artesanato de Panamá Viejo – Muito procurado pelos turistas, pechinche antes de comprar. Tem ampla variedade de produtos produzido por indígenas.

Colón – Segunda maior cidade do Panamá, está localizada na extremidade do Caribe no Canal do Panamá. Tratase de um porto importante e tem um centro comercial livre de impostos – du- 122 ty-free. Há muitas lojas de eletrônicos, perfumes, roupas, joias e muitos outros produtos com preços convidativos. A cidade foi fundada em 1850 por um norte- americano que trabalhou na estrada de ferro.

Texto por: Roberto Maia. O jornalista viajou ao Panamá a convite da Copa Airlines e contou com o apoio do Sortis Hotel, Spa & Casino – Autograph Collection e a proteção do seguro-viagem Global Travel Assistance – GTA

Foto destaque por Istock/ marshalgonz

Comentários