logo

Telefone: (11) 3024-9500

Os extremos do Vale da Morte, nos Estados Unidos | Qual Viagem Logo

Zabriskie Point is a part of Amargosa Range located in east of Death Valley in Death Valley National Park in the United States noted for its erosional landscape.

Os extremos do Vale da Morte, nos Estados Unidos

6 de julho de 2016

O nome chama a atenção. O Vale da Morte, ou Death Valley em inglês, é considerado o lugar mais quente do mundo. Com mais de um milhão de hectares, o vale estende-se numa região ao norte do Deserto de Mojave, entre a Califórnia e Nevada, nos Estados Unidos, protegida por um parque nacional.

Death Valley National Park

Foto por iStock / zrfphoto

É possível percorrer grande parte do Vale da Morte de carro, em estradas pavimentadas. Mas para acessar alguns lugares mais isolados é preciso até fazer escaladas – vai depender do tipo de sua visita. Há incríveis vales abaixo do nível do mar, montanhas com picos que chegam a mais de três mil metros de altura, cânions incríveis, dunas e oásis.

Breaking clouds and a sunset combine to create drama in the skies over Badwater in California's Death Valley National Park.  At 282 feet below sea level, Badwater is the lowest point in North America.

Foto por iStock / AndrewSoundarajan

Na área chamada de Furnace Creek encontra-se o Golden Canyon, o Devil’s Golf Course, com sal e formações rochosas irregulares, a Artist’s Drive, uma rodovia que passa por colinas coloridas por sedimentos, o Badwater Basin, um vale de sal que é o ponto mais baixo da América do Norte, o Zabriskie Point e o Dante’s View, que oferecem uma das melhores vistas do Vale da Morte.

Mosaic Canyon in Death Valley National Park, a narrow canyon hike to a dry waterfall that floods during rains. The geology is formed by a fault line that bends the layers of sedimentary rock along with water erosion.

Foto por iStock / Gary Kavanagh

Em Stovepipe Wells, visite as dunas de Mesquite Flat, o Salt Creek e os cânions de Mosaic e Titus. Na área do Scotty’s Castle, uma mansão da década de 1920, há a enorme cratera de Ubehebe, as dunas de Eureka e a Racetrack, onde rochas atravessam misteriosamente o deserto. Já em Panamint Springs, há verdadeiros oásis, como as cachoeiras Darwin.

Como o verão costuma ser muito quente e seco, com temperaturas que podem chegar aos 50°C, o ideal é evitar a visita ao local nessa época do ano. Vista roupas apropriadas para a temperatura da estação e lembre-se de sempre levar uma garrafa d’água. Para entrar na área do parque nacional, é preciso pagar uma taxa de dez a vinte dólares.

Mais informações em: nps.gov/deva/index.htm

Texto por: Patrícia Chemin

Foto destaque por: iStock / Björn Alberts

Comentários