logo

Telefone: (11) 3024-9500

O que fazer em casos de voos atrasados ou cancelados | Qual Viagem Logo

imagem_release_1202617

O que fazer em casos de voos atrasados ou cancelados

16 de fevereiro de 2018

No início do ano, período de férias e alta estação, o número de viagens de avião realizadas aumenta em todo o país. Para atender à demanda, algumas companhias aéreas oferecem voos extras e rotas diferenciadas. Mas, mesmo com uma “força tarefa” programada, alguns problemas permanecem. Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), os atrasos de voos são considerados um dos maiores problemas enfrentados pelos viajantes.

As causas são diversas: tráfego aéreo, problemas técnicos, condições meteorológicas ou até mesmo o próprio passageiro que, mesmo com o check-in feito, não comparece no embarque. Para minimizar o desconforto e o caos, foram desenvolvidas algumas obrigações a serem cumpridas pelas companhias aéreas e aeroportos. De acordo com a ANAC, os passageiros devem ser informados a cada 30 minutos sobre o status dos voos e, em caso de cancelamento, a informação deve ser dada imediatamente. Conforme o tempo de espera, as empresas devem oferecer, gratuitamente, assistência material (acesso à internet, telefone e alimentação por meio de voucher, por exemplo).

Quando o atraso ultrapassa quatro horas, é obrigação da companhia aérea oferecer acomodação (em caso de pernoite), reembolso integral e outra mobilidade de transporte ao passageiro, conforme escolha do cliente. “Devido aos atrasos e cancelamentos de voos, temos uma movimentação maior nesse período do ano – ainda mais pelo fato de estarmos próximos ao aeroporto Internacional Salgado Filho”, comenta o gerente geral do Deville Prime Porto Alegre, André Machado.

Conferir o site da companhia aérea e o e-mail cadastrado para verificar se não houve alterações nos voos, chegar com antecedência ao aeroporto e se atentar aos painéis informativos são algumas medidas que podem evitar atrasos por parte dos passageiros. Também é recomendado optar por voos diretos. Caso não seja possível, é importante que haja um tempo adicional entre voos, o que ajuda a reduzir a possibilidade de perder o embarque do próximo trecho.

Texto por: Agência com edição de Patrícia Chemin

Foto destaque por: Elza Fiuza / Divulgação

Comentários