logo

Telefone: (11) 3024-9500

No Vale do Café, empresários do turismo criam alternativas durante pandemia | Qual Viagem Logo

diadepescaria-fazendauniao

No Vale do Café, empresários do turismo criam alternativas durante pandemia

24 de abril de 2020

turismo, que tem sido uma das áreas mais afetadas pelas políticas de prevenção ao COVID-19, encontrou na região Vale do Café, RJ, vasta gama de opções para frear o estresse psicológico causados pela monotonia e sensação de insegurança dos funcionários.

Quando a maioria dos empresários teve que parar por tempo indeterminado e assim rever seus custos, inclusive a possibilidade de manter seus colaboradores, a criatividade ganhou força, dando espaço para ideias e atividades para manter os ânimos elevados.

Ao invés de dar férias totais, alguns estabelecimentos, como o Hotel Santa Amália, em Vassouras, optaram pelo revezamento entre os funcionários. Com dias de folga intercalados, a maioria não deixa de ir ao hotel, mantendo a sensação de pertencimento e colaborando com ideias e soluções diárias.

“Eu percebi que para eles não era produtivo ficar direto em casa, e com o revezamento, eles puderam manter a motivação do dia a dia, executando algumas tarefas no hotel e trazendo ideias do que poderíamos fazer nesse período de folga. Muitos, por exemplo, sugeriram dedicar-se a outras atividades, como jardinagem ou organização de áreas que mereciam atenção e que nunca tínhamos tempo para fazer”, conta a proprietária, Ana Lúcia Furtado.

Na Fazenda União, em Rio das Flores, a gerente Camila Carrara trouxe uma opção aliada ao entretenimento. Para que não perdessem vínculo com o hotel, começou a promover a visita de algumas famílias à área de lazer, para que experimentassem um dia diferente. “Percebi que a liberação do trabalho mexeu com a autoestima de alguns deles, que confessaram estar desanimados com a situação. Disponibilizar as áreas livres do hotel para algumas famílias foi uma forma que encontrei de possibilitar momentos de descontração, para que pudessem esfriar a cabeça e se divertir”.

A hoteleira conta que parte da área verde do hotel também foi emprestada a alguns deles, para cultivo de pequenas culturas, possibilitando um ganho extra. Além disso, a situação também trouxe ideias para projetos futuros: “Como o município em que estamos é essencialmente agrícola, muitas famílias vivem do que produzem. Isso me deu a ideia de  montarmos uma pequena feira como parte da programação do hotel após o período de isolamento. Será uma atividade diferente para os hóspedes, que gostam de conhecer a produção local, e, para as famílias, que terão outra opção para escoamento dos produtos”.

A queda no movimento dos turistas também afetou a Florart – Associação de Artesãos de Manuel Duarte e Porto das Flores – que tinha a venda presencial como maior fonte de receita. As coordenadoras da Florart resolveram usar o período de baixa demanda e chamar associados para um trabalho voluntário em prol da comunidade através da confecção de máscaras de proteção. E a adesão foi imediata: o plano inicial era fazer 100 máscaras, mas já fizemos 235, que serão doadas a profissionais de saúde e famílias carentes.

“Enquanto adequamos nossos canais de venda digitais, resolvemos reunir os associados para trabalharmos em prol da comunidade. A Florart já nasceu com intuito de fortalecer o coletivo, portanto, a grande maioria aceitou participar da iniciativa, aproveitando o tempo maior de que estavam dispondo em casa. Também acredito que ajudar o próximo é terapêutico, faz bem ao espírito”, conta Lineia Paiva, uma das coordenadoras.

O Jardim Uaná Etê, localizado em Paulo de Frontin, criou uma forma de presentear trabalhadores que estão além dos limites da região. Foi criado o ingresso Gratidão, voltado a todos aqueles que atuam em atividades essenciais como hospitais, farmácias, supermercados, etc, e não puderam ficar em isolamento durante a pandemia. A eles, o Uaná Etê oferece ingresso gratuito ao jardim durante todo o mês de novembro.

“Mais de 800 pessoas já baixaram os ingressos gratuitos.  É uma forma de contribuir com os esforços daqueles que não puderam ficar em isolamento e seguiram trabalhando para que o restante de nós pudesse continuar vivendo bem.”, comenta Cristina Braga, diretora artística do jardim.

Texto por: Agência com edição Eliria Buso

Foto por Divulgação

Comentários