logo

Telefone: (11) 3024-9500

Grande Museu Egípcio será inaugurado em 2021 e promete fazer do Egito um destino ainda mais chamativo | Qual Viagem Logo

egito-unsplash

Grande Museu Egípcio será inaugurado em 2021 e promete fazer do Egito um destino ainda mais chamativo

1 de dezembro de 2020

O Egito é um dos países mais ricos em história antiga de todo o mundo. Desde a Grande Pirâmide de Gizé até o Templo de Abu Simbel, o país possui diversas relíquias que costumam chamar a atenção de milhões de turistas todos os anos. Entretanto, a partir de 2021, a inauguração do Grande Museu Egípcio promete agitar ainda mais o país africano. Localizado em Gizé, o local será o maior museu do mundo, e vai contar com a exposição de diversas descobertas recentes do Antigo Egito.

Com uma história rica e que conta um pouco de como começou a sociedade moderna, o Egito sempre foi um dos destinos mais importantes para os amantes de história antiga. Recentemente, por exemplo, contamos um pouco mais desse belo país e falamos de algumas curiosidades que poucas pessoas conhecem. Contudo, separamos outro espaço para falar sobre a inauguração do Grande Museu Egípcio, que deve transformar o turismo local.

Também chamado de Museu de Gizé, o local foi projetado para ocupar um espaço de 480 mil metros quadrados. Isso significa que, quando ele estiver totalmente pronto, será o maior museu do mundo, deixando para trás outros lugares históricos, como o Museu do Louvre e o Museu Britânico. Em 2021, apenas uma parte dele será aberta, mas será o suficiente para contar com uma galeria de artefatos históricas e únicas.

Isso porque, em setembro deste ano, alguns arqueólogos egípcios descobriram 59 sarcófagos com mais de 2500 anos. Eles serão expostos no Grande Museu Egípcio quando ele for inaugurado no próximo ano. Assim, o local promete ser um destino obrigatório para quem é apaixonado por história, principalmente do Antigo Egito. A expectativa para o futuro é que o museu consiga ainda mais peças importantes e históricas.

Egito em alta

Foto por Pixabay

Foto por Pixabay

 

Nos últimos anos, o Egito se tornou inspiração para o entretenimento, principalmente com filmes e seriados produzidos na Europa e nos Estados Unidos. Por exemplo, em 2017, o filme A Múmia ganhou um remake com Tom Cruise e, além de conseguir mais de US$ 400 milhões em bilheteria, também despertou o interesse de várias pessoas sobre a história do país e da cultura local. Foi inclusive uma propaganda para o país.

Em outubro deste ano, o país também voltou ser notícia na indústria do cinema com outro remake. A atriz Gal Gadot e a diretora Patty Jenkins confirmam que nos próximos anos deve estrear uma nova versão de Cleópatra, uma das personagens mais importantes do Antigo Egito. Ainda sem confirmação de data, ou qualquer outro detalhe, a produção desperta a curiosidade dos fãs de cinema e de história antiga.

Na verdade, a Cleópatra sempre foi um personagem bastante explorado na indústria do entretenimento, seja antigamente ou até nos dias atuais. Em 1963, a atriz norte-americana Elizabeth Taylor estrelou o filme mais bem-sucedido sobre a antiga rainha do Egito. Além de vencer algumas premiações, a produção também bateu recordes na bilheteria. Mais atualmente, a personagem histórica ganhou espaço até nos jogos de apostas online, com o jogo Cleópatra aparecendo na lista do melhores slots machines gratuitas, as famosas máquinas caça-níqueis. A antiga rainha também está presente nos games de última geração, aparecendo como personagem em dois jogos diferentes da franquia Assassin’s Creed. Ou seja, é uma figura importante do país africano e é sempre lembrada.

Espaço no Museu

Foto por pixabay

Foto por pixabay

 

Assim como os sarcófagos recém-descobertos, a Cleópatra também vai ganhar espaço no Grande Museu Egípcio. A ideia do projeto é contar com a maior coleção do mundo sobre o Antigo Egito, e fazer a região de Gizé uma referência em estudos, pesquisas e até turismo do tema. Algo que é importante, pois será possível que o país possa contar a própria história, e não deixe que isso seja abordado apenas por europeus ou outras nações.

Nos últimos anos, diversos países estão buscando aumentar a força no turismo com a própria história, seja investindo em museus ou de outras formas. Recentemente, por exemplo, o Chile inaugurou o Museu da Revolta Social e expôs diversas artes sobre as manifestações que aconteceram no país nesses últimos anos. É uma forma de contar a própria história, e não deixar momentos históricos passarem despercebidos.

Isso significa que, em 2021, o Egito vai entrar na lista de viagem obrigatória para muitas pessoas, até mesmo para quem viajou por lá anteriormente. O país quer virar uma referência em museus, ficando ao lado de locais mais conhecidos na Europa e nos Estados Unidos. O Grande Museu Egípcio deve ajudar nisso, colocando a África e o Egito como lugares que podem oferecer aos turistas experiências ricas e únicas.

Foto destaque por Unsplash

 

Comentários