logo

Telefone: (11) 3024-9500

Costa Verde: a Côte d'Azur com sotaque brasileiro | Qual Viagem Logo

Angra dos Reis, Costa Verde, Rio de Janeiro, Brazil, Brasil,.Baia de Angra, mar,

Costa Verde: a Côte d’Azur com sotaque brasileiro

10 de julho de 2017

Conhecido como Costa Verde, o trecho que engloba o litoral sul do Rio de Janeiro se des­taca pela beleza de suas praias paradisíacas ilhas e uma vegetação de Mata Atlântica das mais preservadas do Brasil. A região, que fica às margens da rodovia Rio- Santos, pode ser considerada uma das mais belas da costa atlântica brasileira e um dos cenários com paisagens e recantos impressionan­tes de rara beleza e preservação. Por lá, a natureza comanda o cenário: praias praticamente intocadas com águas azuis e verdes! Para muitos essa região pode ser comparada com a Côte D’Azur, região litorânea turística do litoral francês. Paraty, Angra dos Reis, Ilha Grande e Mangaratiba são os principais destaques desse belíssimo roteiro. As águas aqui são mais esverdeadas, em contrapartida, a Mata Atlântica é a mais preservada do litoral brasileiro.

A Costa Verde é um dos melhores lugares para a prática de esportes náuticos, pesca submarina e passeios de barco por belas praias e ilhas; além dis­so, as cidades contam com boa vida noturna. Para quem pretende passear pela região separamos os principais destinos da rota:

Artes e ruas de pedra em Paraty

Foto por Istock/DABLDY

Foto por Istock/DABLDY

A cidade de Paraty, no Estado do Rio de Janeiro, é um incrível destino de férias (ou até mesmo de final de semana) para curtir bastante e conhecer lugares diferentes. Além de suas belíssimas praias, o desti­no possui muitas trilhas passeios históricos e lugares únicos que vale a pena percorrer. Paraty pode ser uma cidade de muitas faces. Tem nos barqueiros a pele curtida do sol, a rapaziada descolada que frequenta Mamanguá e também dos bichos-grilos de Cajaíba. É a cidade dos diversos artistas de rua, bem como de centenários cirandeiros. Na época da Flip- Festa Literária Internacional de Paraty as ruelas de pedra são dominadas por estrangeiros e se trans­formam na capital intelectual do país. A cidade é uma delícia nessa época do ano. Coladinha na Serra do Mar e na Serra da Bocaina, também é destino de outono e inverno. Como as chuvas são menores, escolha uma pousada na estrada para Cunha e se delicie com as lareiras e os fogões de lenha.

Construído entre os séculos 18 e 19, visitar o Cen­tro Histórico de Paraty é como realizar uma viagem no tempo. Suas ruas de paralelepípedos são emol­duradas por casarões e belas igrejas que se desta­cam entre as casas com portas coloridas. Graças ao tombamento realizado pelo Instituto do Patrimô­nio Histórico Nacional, por lá nada mudou desde os anos 1800. Visite a igreja Nossa Senhora das Dores, a matriz Nossa Senhora dos Remédios, os famosos alambiques e a comunidade quilombola do Cam­pinho. O município tem também lindas cachoeiras como Pedra Branca, Tobogã e Poços das Andori­nhas, além de ateliês interessantes e restaurantes descolados. Para aproveitar mais os locais escondi­dos explore mais de duas dezenas de lindas praias com os passeios de escuna ou alugue um barco.

Centro Histórico de Paraty

Localizada no litoral sul do Rio de Janeiro, Paraty era considerado o porto mais importante para es­coamento do ouro e pedras preciosas que saiam de Minas Gerais e eram levados para Portugal. E parte dessa história continua viva até hoje nas ruas de pe­dra, igrejas e casarões antigos que formam o Centro Histórico da cidade. Não tem como caminhar por ali sem imaginar como era a vida no século 18 e se en­cantar com o charme da arquitetura colonial, mistu­rada com bares, restaurantes e lojas modernas. Entre roupas, doces, bolsas e mil tipos de artesanatos, essas lojas vendem as tradicionais cachaças da região, fa­bricadas nos alambiques da cidade. Pra quem gosta, dá pra experimentar vários tipos, inclusive a Gabriela, que é feita com melaço da cana, cravo e canela.

Centro Histórico de Paraty - Foto: Luana Martins

Centro Histórico de Paraty – Foto: Luana Martins

O Ponto de partida para essa viagem pode ser a pequena de descolada Vila de Trindade. Localizada a apenas 25 minutos ao sul de Paraty (sentido São Paulo), possui vários passeios naturais que agradam a todos. Com praias praticamente desertas, a sim­ples vila de pescadores atrai muitos turistas por con­ta de ótimos restaurantes e cenários incríveis.

Na Praia do Caixadaço as piscinas naturais são a atração. O trajeto é feito por pequenas trilhas que rasgam a Mata Atlântica, sendo percorridas até o fi­nal da praia (cerca de 2 km ou meia hora). Enormes pedras cercam essa região, represando uma parte do mar que forma uma deliciosa piscina natural de águas cristalinas e verdes. Outro destaque é a pre­servada Praia do Sono que atrai fãs de locais isolados. Por estar localizada longe das estradas, essa praia é uma das mais bem cuidadas e bonitas da re­gião. Para chegar a esse paraíso escondido, é neces­sário pegar uma trilha de 2 horas (a pé) desde o Con­domínio Laranjeiras na estrada de Trindade ou alugar um barco a partir do centro histórico de Paraty .

A Praia do Sono é simplesmente maravilhosa. De­pois de curtir bastante o mar e tirar várias fotos da paisagem linda, recomendamos seguir para outra trilha que sai na praia dos Antigos e logo em segui­da dos Antiguinhos e todas elas eram muito boni­tas, com vista de tirar o fôlego. Depois de explorar as belezas naturais e históricas de Paraty, nossa via­gem continua, seguindo rumo ao norte.

Saco do Mamanguá: um Fiorde Tropical

Conhecido como Fiorde Tropical – e pelo que dis­seram os guias, o único fiorde do Brasil – o Saco do Mamanguá é na verdade um canal formado pelo mar entre montanhas do continente. Com 8 Km de extensão e 2 km de largura, ele reúne 33 praias de areia branquinha, mata preservada e algumas co­munidades caiçaras. Pra chegar lá nós alugamos um barco na praia de Paraty-Mirim (R$250 para 4 pes­soas) e passamos o dia visitando várias praias, até terminar no mangue que fica lá no final, na divisa entre o mar e o continente.

Foto por IStock/ FELIPEGOIFMAN

Foto por IStock/ FELIPEGOIFMAN

Angra dos Reis

Angra dos Reis é um incrível destino para os aman­tes de esportes náuticos. Considerada a Capital Bra­sileira do Turismo Náutico, a cidade é banhada pela parte mais bela da Bahia de Ilha Grande. Com 97 ilhas, esse paraíso, a 380 km de São Paulo, reserva ao viajante tranquilidade e paisagens de tirar o fô­lego! Suas águas limpas com a presença de inúme­ros animais, como peixes e tartarugas, conquistam qualquer turista. São muitas praias e ilhotas.

A cidade possui muitos prédios históricos interes­santes. Comece o seu roteiro visitando a Igreja Ma- triz de Nossa Senhora da Conceição. A igreja possui­ rico interior com retábulos, imagens e indumentá­rias preciosas. Iniciou sua construção em 1625, mas foi concluída só no final de 1750, com o apoio do então Rei de Portugal D José I, que doou a pia batis­mal e outras peças.

Outro local interessante é o Convento São Bernar­dino de Sena. A construção foi iniciada pelos fran­ciscanos em 1758, em substituição ao outro con­vento, que era no pé do morro e foi bombardeado por um navio pirata francês. Inaugurado em 1763 já abrigou a casa dos órfãos e o liceu primário. O relógio existente em seu campanário ainda é origi­nal. Vale a pena subir no Cruzeiro, e no percurso fotografar a bela vista de parte da cidade.

Para quem gosta das comidas do mar, vale um pas­seio no Mercado do Peixe. O prédio foi construído em 1915, mantendo até hoje o comércio de peixes, crustáceos, lulas e camarões fresquinhos. Não deixe de conhecer a Bica da Carioca, o Teatro Municipal e o famoso convento de Nossa Senhora do Carmo.

Ilha Grande, A Cereja do Bolo!

Nesse belíssimo roteiro, e que pode ser considera­da a “cereja do bolo” desse roteiro é a Ilha Grande. O local é um verdadeiro paraíso em meio ao mar de Angra dos Reis. A diversidade biológica encontrada em suas praias e em sua densa mata é única no Bra­sil. São nada menos que 192 km² de raríssima bele­za, incluindo 106 praias, cachoeiras e verdes mon­tanhas. Como em toda a região, a Ilha Grande era habitada por índios tamoios e tupinambás e deles recebeu o nome de Ipaum (ilha) Guaçu ( Grande).

Também foram os nativos que abriram as trilhas utilizadas até hoje. A Vila do Abraão é considerada a capital e porta de entrada da ilha, os caminhos aber­tos da mata levam à praias e enseadas pouco explo­radas. Uma das praias mais belas e famosas é a de Lopes Mendes, que fica no lado sul da Ilha Grande. Aqui fica a parte sul, com águas mais bravias, dife­rente da parte norte, cujas praias são mais protegidas e tranquilas. Outro destaque é a praia de Provetá, alcançada apenas de barco e a reserva biológica da Praia do Sul.

A Praia do Aventureiro é uma das preciosidades da Ilha Grande! O coqueiro deitado é o símbolo dessa praia. O mar cristalino – e em algumas partes agitado -, atrai muitos viajantes que buscam se hospedar em um lugar mais afastado da Ilha do Abraão – local que reúne os bares, restaurantes e pousadas.

Foto por IStock/AGUSTINA CAMILION

Foto por IStock/AGUSTINA CAMILION

Por não permitir que carros entrem na ilha, o aces­so se dá apenas por balsa ou barcos – partindo de Angra. Muito bem preservado e repleto de animais marinhos, como tartarugas, golfinhos e peixes. É fácil de se apaixonar por Ilha Grande, o difícil é deixá-la.

Mangaratiba – Paraíso dos Resorts

Outro local bem interessante é Mangaratiba que fica no início da Costa Verde para quem começa a sua viagem a partir do Rio de Janeiro. Mangarati­ba está localizada a 100 km da capital carioca. Por lá, encontram-se belíssimas praias no melhor estilo selvagem, que mesclam águas cristalinas com a Mata Atlântica. Lá estão também os mais completos em­preendimentos de lazer para famílias. Resorts e gran­des hotéis “All Inclusive” e alguns bem luxuosos que se destacam por lá, sem deixar de lado as charmosas pousadas que conquistam os que buscam sossego e maior privacidade para os clientes mais exigentes e que desejam algo mais personalizado.

A chamada Costa Verde pode ser feita tanto pelo Rio de Janeiro como por São Paulo. Quem vem pela Rodovia Rio Santos de São Paulo começa o roteiro em Trindade, a primeira praia de Paraty. Quem sai do Rio de Janeiro passa por Itaguaí e inicia o roteiro em Mangaratiba. Tendo tempo visite Itacuruça ainda no Rio e Ubatuba em São Paulo que oferece mais de 90 praias, algumas quase que desertas.

Como chegar

De São Paulo – Você pode pegar a Rodo­via Presidente Dutra e seguir até Taubaté. De lá desça pela Rodovia Oswaldo Cruz que termina no centro de Ubatuba. De lá inicie seu roteiro em Trindade e conclua o seu passeio em Mangaratiba

Do Rio de Janeiro – Siga pela Rodovia Rio Santos, passe por Itaguaí até che­gar nas cidades do roteiro. A primeira delas é Itacuruça. Depois siga até Man­garatiba, passando por Angra dos Reis, Ilha Grande e finalizando em Paraty.

Onde ficar

PARATY

tripadvisor.com.br/Hotels-g303503-Para­ty_State_of_Rio_de_Janeiro-Hotels.html

ANGRA DOS REIS

tripadvisor.com.br/Hotels-g303489-Angra_Dos_Reis_State_of_Rio_de_Janei­ro-Hotels.html

ILHA GRANDE

tripadvisor.com.br/Hotels-g303497-Ilha_Grande_State_of_Rio_de_Janeiro­- Hotels.html

MANGARATIBA

tripadvisor.com.br/Hotels-g667831-Mangaratiba_State_of_Rio_de_Janeiro­- Hotels.html

ITACURUÇA

tripadvisor.com.br/Hotels-g2572633-Ita­curussa_State_of_Rio_de_Janeiro-Hotels.html

Texto por: Cláudio Lacerda Oliva

Foto destaque por Istock/ FelipeGoifman

Comentários