logo

Telefone: (11) 3024-9500

Chapada dos Guimarães: um portal entre passado e futuro | Qual Viagem Logo

26122900917_b36ca67ebe_c

Chapada dos Guimarães: um portal entre passado e futuro

4 de setembro de 2020

Situada no estado do Mato Grosso, a menos de 70 quilômetros da capital Cuiabá, a Chapada dos Guimarães é identificada pelos paredões que marcam as bordas do Planalto Central Brasileiro. 

O tom avermelhado destas formações rochosas e as belezas naturais do local transformado em Parque Nacional em 1989 encantam os visitantes e fazem dele um destino completo de ecoturismo e turismo de aventura. Entre as atividades que podem ser praticadas ali estão trekking, rapel e flutuação. Tudo isso em um cenário que combina cerrado, cachoeiras e cânions, além de pinturas rupestres e formações rochosas de encher os olhos. 

Atrativos também nas cidades vizinhas

Atualmente são cinco atrativos da Chapada que estão abertos à visitação: Mirante do Véu de Noiva, Circuito das Cachoeiras, Casa de Pedra, Morro de São Jerônimo e Vale do Rio Claro. No Véu de Noiva, uma trilha de 550 metros separa o turista de um visual deslumbrante. Após uma relaxante caminhada, lá do alto é possível curtir toda a força da cachoeira que recebe o mesmo nome do mirante. 

Foto por iStock / alarico

Foto por iStock / alarico

Para visitar o Circuito das Cachoeiras e a Casa de Pedra do córrego Independência é preciso muita disposição. O passeio completo pode levar até seis horas de duração e as paradas para banho nas águas límpidas das piscinas naturais são as responsáveis por revigorar. Já a Casa de Pedra é uma gruta com vestígios de inscrições rupestres, que prova que o local já recebia povos milenares. 

Outra atração indispensável é o Morro de São Jerônimo, um dos pontos mais altos do parque, mais de 830 metros e um dos locais mais indicados para apreciação da fauna e flora locais, enquanto o Vale do Rio Claro é ideal para quem deseja aproveitar o momento na natureza dentro de um veículo 4×4. 

Fora da reserva também há muitas belezas. Uma das mais encantadoras é a caverna Aroe Jari, uma gigantesca gruta de arenito com 1.500 metros de extensão e inscrições rupestres. Seu conjunto inclui ainda a Lagoa Azul, de águas transparentes e um dos melhores locais para fotos que irão ficar para a eternidade. 

Foto por Flavio André / MTur

Foto por Flavio André / MTur

A Cidade de Pedra é outro enorme presente da natureza. Emoldurada por rochas pontiagudas que remetem a castelos medievais. As formações espalham-se por cânions que ultrapassam a 400 metros de altura em meio a escarpas frequentadas por belas araras-vermelhas. 

Um paredão de belezas infinitas 

O enorme paredão com cento e cinquenta quilômetros de rochas há trezentos milhões de anos estava no fundo do oceano, e quando o mar cedeu, um deserto cobriu toda a região e aos poucos uma densa vegetação passou a brotar, servindo de alimentos aos animais pré-históricos (os dinossauros) até serem extintos. Essa é história geológica desse gigante de pedras que, segundo os místicos, é um dos pontos de maior concentração energética do planeta. Fósseis de conchas do mar, até hoje preservadas na argila ou na hematita (uma rocha negra ferrosa), e dunas do antigo deserto preservadas pelo arenito são visíveis na região do Portão do Inferno, além de inscrições pré históricas em diversas cavernas. Segundo as profecias de Dom Bosco, nasceria ali a civilização que seria o berço de um novo pensamento planetário na era de aquário. Acredita-se também, que o fluxo magnético da região (“corredor Bivac”), possibilita às pessoas iniciadas um maior contato com os elementais e seres de outras dimensões, devido a um “buraco” na superfície da Chapada que permite a passagem de ondas cósmicas que normalmente não chegam à superfície.

Foto por iStock / bitenka

Foto por iStock / bitenka

Todas essas histórias que mexem com o imaginário, fazem da Chapada dos Guimarães um dos destinos mais procurados por místicos e esotéricos, que desde os anos setenta passaram a se instalar na região. A paisagem exótica e a constatação de que a flora que ali brota é a maior concentração de plantas medicinais por quilômetro quadrado do mundo, e que por ali passa uma antiga estrada pré-colombiana que corta a região que liga a América Central cruzando a Cordilheira dos Andes em direção ao Brasil Central cruzando o país de noroeste a sudeste, só reforça as teorias. 

Com o decorrer do tempo, muitas pousadas surgiram, atraindo inicialmente turistas “alternativos” e hoje passa a ser um importante destino do ecoturismo. O Parque Nacional da Chapada dos Guimarães, criado em 1989, recebe hoje turistas do mundo inteiro, que buscam conhecer suas cachoeiras (são quatrocentas e oitenta e sete no total), sítios arqueológicos e paleontológicos. 

Pela proximidade com Cuiabá (69 km), capital do estado, passou a ser também um destino de lazer, o que acaba criando um grande fluxo de pessoas aos fins de semana, em busca como principal atrativo os banhos de cachoeira, que dentro da área do parque tem o controle de número de visitantes e tempo de permanência. Para quem está disposto a enfrentar oito horas de caminhada, o trekking até o Morro de São Jerônimo, passa por formações em arenito bastante curiosas, como o Jacaré de Pedra, a Pedra Furada e a Mesa do Sacrifício; ou o circuito das cachoeiras, sete horas de caminhada, passando pelas quedas Sete de Setembro, Pulo, Prainha, Degraus e Andorinhas e duas piscinas naturais. 

Foto por Flavio André / MTur

Foto por Flavio André / MTur

As cavernas são outras atrações da Chapada dos Guimarães, porém nem todas podem ser visitadas. A mais conhecida é a Gruta do Francês, com 1.550 metros de extensão e a Gruta da Lagoa Azul, que abriga uma lagoa de águas cristalinas. 

Embora localizada no centro-oeste brasileiro, região onde o calor é constante, nos meses de inverno, a Chapada dos Guimarães chega a marcar mínimas de 10ºC com muita neblina. Mas assim que o sol rasga as nuvens, o calor volta a dominar a região. 

Com tantas histórias, quem visitar a Chapada dos Guimarães deve estar preparado para banhos em cachoeiras incríveis, para receber toda energia telúrica do local e quem sabe encontrar alguns “elementais”, durante as relaxantes trilhas e panorâmicas caminhadas. 

Foto por Flavio André / MTur

Foto por Flavio André / MTur

Malai Manso Resort completa o passeio 

Porta de entrada tanto para a Chapada dos Guimarães como para outros atrativos da região, a capital de Mato Grosso, Cuiabá recebe quem chega com um abraço quente, a média da temperatura local é de 34ºC em qualquer época do ano. A cidade mais rica do estado, com movimentação intensa do agronegócio nacional, estende seu território para muito além dos altos prédios, chegando a planícies intermináveis que ajudam a formar o cerrado do centro-oeste. Nessa imensidão surge um verdadeiro oásis chamado Malai Manso Resort. Com pouco mais de três anos, já é referência na hotelaria de lazer e de eventos, recebendo no último ano quarenta e cinco mil hóspedes. 

Com uma entrada suntuosa e o jardim que emoldura o lago do Manso, maior que a Baía de Guanabara e dez vezes o tamanho do Lago Paranoá, em Brasília, com cinquenta e sete quilômetros de navegação, o resort está instalado num oásis de montanhas, cerrado e águas. Tudo ali é grandioso. A piscina principal, com água em temperatura ideal, tem três mil metros quadrados, divididos em ambientes encantadores interligados, com palmeiras e flores e bar, onde bebidas e petiscos estão à disposição o dia inteiro (incluso na diária).

Foto por Divulgação

Foto por Divulgação

No espaço para as crianças, brinquedos coloridos e muita segurança. A piscina aquecida é coberta com vários pontos de hidromassagem e nos faz lembrar os banhos romanos pela sua extensão. No serviço “All Inclusive”, bebidas alcoólicas ou não, sorvetes e quitutes durante todo o dia, nas refeições pratos da culinária mato-grossense no restaurante “self service” ou à la carte no restaurante romântico, além de pizzas e lanches especiais na Vila Malai.

Recebendo toda a energia mística da Chapada Guimarães, com suas montanhas suntuosas e cheias de história e mistérios, os 1,7 mil metros quadrados do Malai Manso Resort oferecem muitas atividades ao ar livre, para quem quer aproveitar ao máximo o tempo da estadia. Para os amantes dos esportes radicais opções como tirolesa, arvorismo e arco e flecha, além dos esportes náuticos e passeio de lancha no lago Manso, com direito a relaxar em uma prainha deserta no sopé de uma enorme montanha.

Campo de futebol, quadras de tênis e poliesportivas, academia estão à disposição dos mais atletas, e um SPA com a assinatura da L’Occitane é espaço para relaxar com massagens e outros tratamentos que fazem bem para o corpo e para alma. A garotada conta com uma intensa programação sob o comando da equipe de monitores, com atividades divididas por faixa etária, que vão de contação de histórias, fantoches, aulas de artesanato e culinária a atividades radicais, balada, jogos educativos e baladas noturnas. 

Empreendimento sustentável 

Com a assinatura de empreendimento sustentável, em ações como monitoramento da qualidade da água superficial e subterrânea, recuperação de matas nativas para proteção da fauna e flora local e gerenciamento e disposição final de efluentes líquidos e sólidos, através de um programa de coleta seletiva, com armazenamento e destinação adequada, confecção de adubo através de compostagem de resíduos sólidos e uma estação de tratamento de todo esgoto do empreendimento, relançando a água no solo para decantação natural, e a captação de água de uso através de três poços artesianos e com um parque de placas solares que garantem 100% da energia consumida no hotel, o Malai Manso Resort demonstra seu respeito e preocupação com o meio-ambiente. Esse verdadeiro oásis está distante de São Paulo e Rio de Janeiro por apenas duas horas e meia de voo e apenas noventa e seis quilômetros do aeroporto de Cuiabá, com aeródromo e heliponto para aeronaves particulares. O Malai Manso Resort é também um destino procurado para eventos corporativos. 

Ter o Malai Manso Resort na lista de destinos para uma viagem de férias, feriado ou fim de semana, com amigos ou com a família, é item obrigatório para quem busca conforto, lazer, qualidade e experiências inesquecíveis, principalmente no término ou relaxamento do período de quarentena, que deve terminar no início do segundo semestre. Visitar a Chapada dos Guimarães pode ser uma alternativa inspiradora, e aproveitando que já está na região, recomendamos uma visita ao Resort Malai Manso. Para quem desejar ficar uns dois dias na Chapada dos Guimarães, pode consultar as nossas dicas nos serviços dessa matéria, onde se hospedar e onde comer. 

SERVIÇO

Como chegar

As aéreas Azul, Gol e Latam oferecem voos de Guarulhos e/ou Campinas diretamente para Cuiabá. Informe-se nos sites sobre as novas opções de horários.

Onde comer

Restaurante Morro dos Ventos – Estrada do Mirante, km 01 / Tel.: (65) 99971-6464 

Podori – R. Quinco Caldas, 60 / Tel.: (65) 3301-3061

Malai Manso Resort – malaimansoresort.com.br

Onde ficar

Pousada Manacá da Serra – Tel.: (65) 99247-1251 / pousadamanacadaserra.com.br

Pousada Villa Guimarães – Tel.: (65) 3301-1366 / pousadavillaguimares.com.br

Pousada Penhasco – Tel.: (65) 3612-4550 / pousadapenhasco.com.br

Mais informações em: icmbio.gov.br/parnaguimaraes

Texto por: Cláudio Lacerda Oliva e Patrícia Campos

Foto destaque por: Flavio André / MTur

 

Comentários