logo

Telefone: (11) 3024-9500

A história da igreja no Museu de Arte Sacra em São Luís | Qual Viagem Logo

museu-de-arte-sacra-foto-adilson-zavarize-2

A história da igreja no Museu de Arte Sacra em São Luís

27 de março de 2017

Uma forma diferente de conhecer a história da fundação de São Luís é visitando o Museu de Arte Sacra do Maranhão, instalado no andar superior do Palácio Arquiepiscopal, na Praça Dom Pedro II, no Centro. A exposição está dividida em 13 salas e é contextualizada com momentos importantes da história religiosa e política da capital maranhense. A fundação da cidade teve a celebração de uma missa pelos jesuítas.museu-de-arte-sacra-foto-adilson-zavarize-6

O museu  possui valioso acervo de peças de imaginária e ourivesaria que contam a história da Igreja no Maranhão. O acervo, que pertence, em parte, à Arquidiocese de São Luís, é composto de peças dos séculos XVIII e XIX em estilos maneirista, rococó e neoclássico. Inclui-se desde esculturas até objetos utilizados em celebrações religiosas, como cálices e crucifixos, que eventualmente são cedidos para uso fora do museu. Ao todo são mais de 400 peças na mostra.museu-de-arte-sacra-foto-adilson-zavarize-9

Entre as imagens de santos, destaque para santos de roca, que tradicionalmente eram utilizados em procissões da Semana Santa.  Estas esculturas apresentam cabeça, mãos e pés entalhados em policromia, que são seus principais elementos de expressão; tronco e pernas de estrutura simplificada, ou corpo reduzido a armações de ripas. Esse tipo de imagem foi introduzido no Brasil a partir do século XVII, mas até hoje são utilizadas no Maranhão, especialmente nas precisões da Quaresma.museu-de-arte-sacra-foto-adilson-zavarize-8

Alguns dos santos de rocas, que hoje fazem parte do acervo do Museu de Arte Sacra, são vestidos com trajes luxuosos, têm olhos de vidros, cabelos naturais feitos com fios humanos doados por fiéis, resplendor ou coroa de ouro e prata. Também estão em exposição “santos de pau oco”, imagens que eram utilizadas para guardar objetos valiosos e dinheiro, e eram também utilizados em contrabando de joias e pedras preciosas. Uma dessas imagens é a de São João Batista, do século XVIII. Geralmente essas imagens tinham membros e costas retirados para a colocação dos objetos, mas no caso do João Batista, por ter sido decapitado, sua cabeça era retirada e a emenda passava despercebida. Vale visitar esse importante museu do Centro Histórico de São Luis. O valor da entrada é de R$ 2.00 e a visita demora entre 50 minutos e uma hora e 10.

Texto por: Cláudio Lacerda Oliva. Enviado especial ao Maranhão

Fotos por: Adilson Zavarize

Comentários