logo

Telefone: (11) 3024-9500

Quatro locais que não podem faltar no seu roteiro por Uruguai | Qual Viagem Logo

25-de-agosto-de-2013-026-copiar-_r2h5en3l

Quatro locais que não podem faltar no seu roteiro por Uruguai

4 de junho de 2019

Pueblo Edén: um oásis de calma e tranquilidade

Foto via Divulgação

Foto via Divulgação

Apenas 40 km ao norte de Punta del Este, é Pueblo Edén, uma autêntica “cidade lenta”, onde a calma e tranquilidade são a moeda. Aqui você pode comer em um restaurante tão original quanto requintado, passear por um viveiro e passar a noite em um albergue exclusivo. Nesta pequena cidade vivem cerca de 50 pessoas, e eles atingem cerca de 250, se considerarmos aqueles que vivem num raio de 10 km.

A variedade de espécies encontrada aqui é enorme. Quando entramos no viveiro das mãos de Mirta, proprietária, se tem a experiência de descobrir todas as plantas e suas correspondentes propriedades, sejam elas gastronômicas, medicinais ou decorativas, não importa mais do que isso. Mirta é uma argentina apaixonada por botânica que se estabeleceu em Pueblo Edén há alguns anos e que, sem dúvida, vive e faz parte de seu viveiro e seu povo.

“La Holandesa”, tem apenas uma cabine, e é nessa cidade que tudo acontece de maneira gentil e “artesanal”. Fernando e Chá, o bondoso dono de casamentos da La Holandesa, são os que cuidam do estabelecimento de maneira agradável e orientados para que o hóspede tenha uma experiência inesquecível. Neste lugar, você pode se conectar com a flora e a fauna locais. Além disso, há hotéis e casas para alugar nas proximidades que oferecem outras opções de hospedagem.

Templo Budista Chagdud Gonpa Uruguay

Foto via Divulgação

Foto via Divulgação

A 400 metros de altura, nas Sierras de Minas, no departamento de Lavalleja, se pode observar o segundo lugar que se deve visitar dessa lista, aos que gostam ou estão interessados em uma jornada mais ligada ao espiritual, é o Templo Budista Chagdud Gonpa. Embora existam vários templos budistas no Brasil, ele tem a distinção de ser o único templo budista de língua espanhola. No interior, há belas pinturas de artistas nepaleses, e do lado de fora também encontramos cores vibrantes, e uma arquitetura que nos faz pensar, e percebemos que estamos em um lugar “sagrado”.

Longe da imaginação de Hollywood, dentro não há monges mantralizando orações sagradas ou incenso aceso acesos na penumbra, mas exatamente o oposto. Espaços luminosos complementados pelo silêncio ensurdecedor que emana das montanhas, e que atrai (ou repele) aqueles que lá vão por várias buscas espirituais.

O templo foi construído naquele lugar, porque tem características geográficas incomparáveis, e essas terras são dotadas de um caráter energético muito incomum. O edifício tem diferentes níveis e espaços que cumprem várias funções, como uma sala de jantar, quartos para acomodar retiros, sala de meditação e um nível onde o Lama reside.

Existem apenas duas maneiras de chegar lá: uma é com as visitas que são organizadas uma vez por mês, e outra é por fazer parte de atividades mensais, como ensinamentos e retiros. No site, pode-se encontrar os horários e as instruções para inscrição, seja para um retiro espiritual ou para uma das visitas mensais. É inútil aparecer no local sem ter sido registrado, uma vez que o pessoal de segurança restringirá a entrada antes de subir ao templo para aqueles que não se registraram previamente.

Um castelo com vista para o Mar: O castelo de Piria

Foto via Divulgação

Foto via Divulgação

O Castelo de Piria, é uma majestosa construção digna de um nobre, construído à proibição da rota 37, no departamento de Maldonado. Foi a residência do pioneiro e empresário uruguaio Fernando Juan Santiago Francisco María Piria de Grossi, mais conhecido como Francisco Piria e sua família por dois anos.

O trabalho começou em 1894, sob indicações estritas de Piria, e foi realizado sob a direção do engenheiro italiano Aquiles Monzani. A construção foi concluída em 1897. Devido à influência europeia adquirida por suas várias viagens à Europa, o castelo tem uma mistura entre medieval e renascentista. Em seu entorno, encontra-se um belo parque com diferentes espécies de árvores e plantas, dignas de um jardim botânico. O caminho que atravessa a entrada e termina na entrada do castelo, tem uma linha dupla de palmeiras trazidas especialmente das Ilhas Canárias.

Misturada entre as plantas e árvores do que era a residência da família Piria, existem belas esculturas e obras de arte, principalmente com simbolismos herméticos e alquímicos que apenas alguns iniciados poderiam decifrar. Diz a lenda que Francisco Piria pertencia a alguma loja mística e era um praticante de alquimia, e que logo após ter seu processo de iniciação alquímica no Castelo que durou dois anos, ele decidiu parar de morar lá. O interior do castelo também está imbuído de simbolismo alquímico.

Outro importante empresário, arquiteto e político uruguaio, é Humberto Pittamiglio, ele se declarou um aluno de Francisco Piria, nas artes ocultas da alquimia, e seu castelo de verão pode ser visitado no resort Las Flores, perto de Piriápolis – oferece visitas guiadas. O empresário também tem outro castelo na rambla de Montevidéu, conhecido como Castillo Pitamiglio, mas isso é outra história.

Montevidéu: um passeio por El Prado, um bairro com luz própria

Foto via iStock por quelo73

Foto via iStock por quelo73

“El Prado” é atualmente uma área residencial localizada a oeste de Montevidéu, que no século XIX foi o local escolhido pelas classes altas da época para recreação e descanso.

Hoje em dia este belo e pitoresco bairro de Montevidéu preserva as mansões que outrora pertenceram àquela elite privilegiada da época, mas que conseguiram se adaptar e se misturar com a arquitetura moderna.

“El Prado”, é um bairro clássico de Montevidéu, não muito visitado pelos turistas, mas apreciado pelos moradores locais. Entre seus parques, bares e museus, estão El Rosedal e El Jardín Botánico, este bairro é um pulmão verde muito importante da cidade.

O Jardim Japonês foi inaugurado em 2001 e foi uma doação do Japão para o Uruguai, celebrando as excelentes relações bilaterais compartilhadas pelas duas nações.

A entrada para este típico jardim oriental é através do Museu de Belas Artes, Juan Manuel Blanes, caminhando para a parte de trás do mesmo. O ideal para visitar “El Prado” é passar pelo menos uma tarde (especialmente outono ou primavera) e assim poder percorrer as suas ruas mais importantes, além de poder conhecer seus jardins e museus, e parar para conhecer os segredos que ali se abrigam.

Este belo bairro também possui bares emblemáticos, como o bar Los Yuyos, que iluminam a vida noturna do Prado. Foi fundada em 1906, quando as ruas que o rodeavam eram de madacán e terra, e localizava-se entre antigos quintos.

Naquela época, chamava-se “Almacén de los Mil Yuyos”. Seu fundador, Don Juan Ursi, de origem italiana, serviu como merceeiro e distribuidor de bebidas até 1937. Naquela época, apenas a cana e a grapa com yuyos (um conhaque que ainda é consumido em muitas variedades) existiam 250 tipos, alguns dos quais foram eliminados ao longo do tempo, devido à baixa demanda. Ele também vendeu cinco tipos de alimentos básicos: com quebracho, guaco, laranja, limão e tradicional.

Emoldurada entre as avenidas, Millán, Suárez e a rua 19 de abril, um circuito de cafés e bares que deram vida nova ao bairro e deleitam os paladares mais exigentes. A Residência Presidencial está localizada neste bairro nas ruas Suárez e Reyes.

Texto por Agência com edição de Carolina Berlato

Imagem Destacada via www.budismo.com.uy/entorno-del-templo

Comentários