logo

Telefone: (11) 3024-9500

5 cidades alternativas em Cuba para além de Havana e Trinidad | Qual Viagem Logo

Foto por Istock/ master2

5 cidades alternativas em Cuba para além de Havana e Trinidad

19 de outubro de 2017

Com o embargo econômico imposto pelos Estados Unidos, o fim da União Soviética e uma economia não diversificada, Cuba entrou nos anos 1990 apostando no turismo das suas praias deslumbrantes como principal fonte de recursos para manter o regime socialista.

Aproveitou-se de uma localização privilegiada no Caribe, próxima a Miami, e de uma indústria turística cada vez mais global, com um aumento de passagens aéreas para diversas novas partes do planeta, para tomar uma série de medidas de incremento ao lazer para turistas estrangeiros. Cresceram resorts e hotéis, houve permissões para a recepção de pessoas de fora do país nas casas dos cidadãos e até um circuito turístico foi montado, privilegiando principalmente as praias e a capital Havana.

Uma das principais iniciativas do governo cubano em relação ao turismo foi a criação de uma segunda moeda, mais forte do que o peso nacional (CUP), utilizada apenas pelos setores envolvidos com o turismo. Nascido em 1994, o peso convertível (CUC) vale 24 vezes mais que a outra e, em comparação internacional, tem quase paridade com o euro (1 CUC = 1, 36 euro na cotação atual).

Cuba também diversificou a propaganda externa sobre as belezas do país, apostando principalmente na arquitetura colonial intacta de Havana, assim como a vida cotidiana da cidade, bastante artística, e nas várias praias paradisíacas distribuídas pela ilha – sobretudo, Varadero. Deu certo: de 2009 a 2014, por exemplo, a taxa de chegadas internacionais aumentou 23%.

Em 2016, o país bateu o recorde de 4 milhões de visitantes estrangeiros. No ano anterior, o número já tinha passado os 3,7 milhões de turistas, que levaram, segundo os dados, US$ 2,8 milhões para a ilha. Segundo o Ministério do Turismo cubano, se espera que, em 2017, a marca de chegadas siga acima de 4 milhões.

Segundo o periódico Prensa Latina, o próximo passo do governo cubano é diversificar os atrativos turísticos do país. “Não é abandonar a modalidade sol e praia, que lidera as buscas pela ilha, mas dar maior força às atrações da natureza, do mar, aventuras, congressos, cultura e história”, comentou a ministra do Turismo, María Orellana.

Para ajudá-la (e ao leitor também), Qual Viagem elaborou uma pequena lista de destinos alternativos em Cuba para além das praias famosas e da capital movimentada.

Piñar del Rio

Foto por IStock/ lenawurm

Foto por IStock/ lenawurm

A oeste de Havana, na última província da ilha, se localiza a imensa parte produtora de tabacos do país – produto que tem uma inserção estabelecida no mercado mundial e que deu fama aos cubanos desde o século XX. Segundo dados do governo, 80% de todos os charutos que são produzidos em Cuba saem da província Piñar. Até hoje, boa parte do trabalho é feito manualmente por pequenos proprietários que se dedicam desde a plantação até o processo de enrolamento das folhas.

Além do  tabaco, o caminho entre Havana e Piñar é feito por meio do vale de Viñalles, que reúne boa parte do cultivo de cana de açúcar, de milho e de frutas do país. Por causa da paisagem natural, ir até a capital da província não é a única parte que interessa da viagem: todos os 170 quilômetros de estrada têm algo interessante. Uma das atrações visitadas – e pouco conhecidas pela maioria dos turistas – é o circuito de cavernas, um dos mais extensos do mundo.

Uma das mais famosas é a Cueva del Índio, cuja entrada, no meio de uma montanha, exige 300 metros de caminhada entre grandes colunas de pedra, rochas de várias cores, estalactites, fendas e desenhos subterrâneos.

Baracoa

Foto por Istock/tupungato

Foto por Istock/tupungato

Localizada no extremo oriente da ilha e, portanto, a mais de mil quilômetros de Havana, Baracoa é uma cidade importante não apenas para a história do país, mas também para a do continente e do mundo: foi nela, em 1492, que Cristóvão Colombo chegou depois de sua esquadra desbravar as primeiras ilhas do Caribe na expedição que invadiu a América. Em uma de suas cartas ao rei da Espanha, escreveu que ali estava “a coisa mais formosa do mundo”.

Baracoa se preocupa tanto com sua importância histórica que conseguiu preservar em sua igreja uma das cruzes que Colombo trouxe da Europa em suas caravelas. Todas as outras 28 que plantou no continente desapareceram. Por isso, ela é considerada o artefato histórico-religioso mais importante do encontro entre as duas civilizações.

Além da cruz de Colombo, Baracoa também preserva uma fase da história em que as possessões espanholas além-mar sofriam com as investidas de piratas ingleses e franceses nas águas do Caribe. Para se proteger, o reino espanhol ordenou a construção das fortalezas de Matachin, La Punta e El Castillo, que hoje funcionam como museus e hotéis.

Para além das construções históricas, a pequena cidade ainda possui uma vida noturna diferentemente agitada, com pessoas tocando instrumentos musicais nas ruas e um circuito razoável de restaurantes e galerias de arte. Como é de praxe em Cuba, há um malecón de dois quilômetros ligando as áreas centrais do município.

Cienfuegos

Foto por IStock/ julianpetersphotography

Foto por IStock/ julianpetersphotography

Quando o funcionário público paulista Daniel Luppi visitou Cuba, em 2014, ficou encantado com a pequena cidade de Cienfuegos, a 250 quilômetros de Havana, muito próxima a Trinidad, outro destino mundialmente famoso da ilha. “Me chamou a atenção não apenas a beleza, mas como era extremamente limpa”, conta. “É calma e o passeio é agradável, tanto no calçadão da baía quanto no centro”, completa.

Ao contrário da maioria dos vilarejos cubanos, Cienfuegos foi povoada no século XIX pelos franceses que, por desejo do reino espanhol de abrir novas cidades na ilha, se estabeleceram na região. A principal expressão dessa faceta histórica é a arquitetura neoclássica dos edifícios, que fez com que o município fosse considerado Patrimônio da Humanidade pela UNESCO, em 2005. Alguns deles são o palácio do governo, a Casa de la Cultura Benjamin Duarte e o prédio do Colegio San Lorenzo.

Cienfuegos tem chamado a atenção dos turistas também por seu porto: segunda maior entrada de mercadorias e pessoas por vias marítimas, a região portuária se modernizou e, há alguns anos, recebe até cruzeiros vindos de outros países do Caribe.

Holguín

Foto por Istock/ Brigida_Soriano

Foto por Istock/ Brigida_Soriano

Ao contrário de Baracoa e Cienfuegos, a cidade de Holguín, também localizada no Oriente cubano, não possui abertura ao mar. Maior cidade do interior do país, com 350 mil habitantes, e um polo industrial alimentar, mecânico e automotor do regime, ela é uma das possibilidades de se observar uma vida mais autêntica dos moradores da ilha – com seus problemas e soluções.

No país, Holguín é conhecida como “cidade dos parques” pela intensa presença de áreas verdes em toda a zona urbana. Ao menos cinco delas são grandes e conhecidas também pela exploração turística, como o Parque Calixto García, construído no começo do século XVIII, o Parque José Martí, feito no início do século XX sobre um cemitério, e o Parque San José, onde funcionava um grande mercado nos séculos passados.

É também um destino religioso muito importante para os cristãos e os afrodescendentes cubanos, com eventos que ocorrem durante todo o calendário, como as Romarias de Maio, costume espanhol de peregrinação pelas ruas para pedir o afastamento de doenças e malefícios, e a “Tumba Francesa”, que relembra as rebeliões africanas dos colonos franceses da região.

Guantánamo

Foto por Istock/ robilusso

Foto por Istock/ robilusso

Capital da província de mesmo nome e conhecida no mundo pela prisão estadunidense ali construída em 1898 durante a Guerra de Cuba e pela canção Guantanamera, de Julián Orbón, Guantánamo é uma cidade importante na preservação da cultura indígena cubana, assim como Baracoa e as pequenas vilas na costa oriental da ilha. Na província, se localizavam os índios taínos, uns dos mais rebeldes às expedições colonizadoras dos espanhóis e que hoje, séculos depois, foram ressignificados como a primeira resistência americana contra o domínio europeu.

A cidade também possui traços franceses dos colonos fugidos da Revolução Haitiana no começo do século XVIII que chegaram a Cuba e fundaram diversas cidades. A música tradicional cubana também tem raízes na cidade, como mostra o documentário Cuba Feliz, do diretor tunisiano Karim Dridi, lançado em 2000, e o famoso filme de Wim Wenders, Buena Vista Social Club.

Texto por: Agência com edição Eliria Buso

Foto destaque por Istock/ master2

Comentários